top of page

Sobe para 48 o número de mortos em terremoto no Japão

Governo japonês afirmou que diversos imóveis ficaram destruídos. Equipes de resgate trabalham para socorrer feridos e acessar regiões que estão isoladas


Foto: Reprodução Vídeo
Foto: Reprodução Vídeo

Subiu para 48 o número de mortes provocadas por uma série de terremotos que atingiu o Japão na segunda (1º). As informações foram divulgadas pela TV pública NHK, citando autoridades japonesas.


Os tremores foram sentidos na Península de Noto, sendo que o terremoto mais forte teve magnitude de 7,6, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão. A região concentra a maior parte dos estragos e mortes provocadas pelo fenômeno.


Nesta terça (2), equipes de resgate continuam em busca de feridos. De acordo com o governo japonês, cerca de 1 mil militares estão trabalhando no socorro às vítimas.


“A busca e resgate das pessoas afetadas pelo terremoto é uma batalha contra o tempo”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida durante uma reunião de emergência nesta terça-feira.




O governo japonês afirmou que os socorristas estão com dificuldades de acessar o extremo norte da Península de Noto. Algumas regiões estão isoladas, já que estradas foram destruídas.

Na cidade de Wajima, que fica no norte da península, o Corpo de Bombeiros disse que ao menos 30 prédios desabaram. Há relatos de pessoas presas sob escombros.


Ainda na região, em Suzu, o prefeito da cidade afirmou que até 1 mil casas foram destruídas. “A situação é catastrófica”, disse Masuhiro Izumiya.


Logo após o terremoto, mais de 900 chamadas de emergência foram registradas. O governo afirmou que ainda há 120 casos de pessoas que continuam aguardando para serem resgatadas.



Tsunami


A série de terremotos fez com que o Japão emitisse um alerta de tsunami para toda a costa oeste do país. Ao todo, cerca de 140 tremores foram registrados na região nas últimas 24 horas.


Logo após o tremor de magnitude 7,6, o serviço meteorológico chegou a emitir um alerta para risco de um "grande tsunami", com ondas de até 5 metros. Todos os alertas foram suspensos nesta terça-feira.


Ainda assim, ondas de cerca de 1 metro foram registradas em regiões próximas ao epicentro do tremor mais forte.

De acordo com a agência Reuters, imóveis e veículos acabaram sendo atingidos pela força do mar.


*Com informações G1