top of page

Supermercados já restringem compra de arroz, feijão e leite em meio a tragédia no RS

Medida adotada pelas empresas é preventiva

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

DCM - O Grupo GPA, proprietário das redes Pão de Açúcar e Extra, iniciou a limitação de compra de arroz, feijão, leite e óleo de soja em suas unidades e sites em todo o Brasil. A medida surge em meio ao temor de que as enchentes no Rio Grande do Sul possam afetar os estoques de alimentos no país, já que o estado é responsável por 70% da produção de arroz no Brasil.


Segundo o gerente de uma unidade do Pão de Açúcar em São Paulo, a limitação foi iniciada após um aumento significativo na compra desses produtos básicos em algumas lojas.

O Grupo Pão de Açúcar estabeleceu a seguinte limitação de compra: pacotes de arroz de cinco quilos em duas unidades, pacotes de feijão em quatro unidades, garrafas de óleo de soja em seis unidades e litros de leite em 24 unidades.


Outros supermercados em todo o país também estão adotando medidas semelhantes. Relatos de limitações foram observados em Minas Gerais, Espírito Santo e Ceará. Por exemplo, o Supermercados BH, em Belo Horizonte, implementou limites para a compra de arroz. Os clientes não podem adquirir mais do que cinco pacotes. A rede assegura que não faltará o produto em suas lojas.


Enquanto isso, redes como Mambo, St. Marche, Dia, Trimais, Sonda e Carrefour não anunciaram restrições de compra de arroz em suas unidades, com os gerentes garantindo que os estoques estão normalizados.


Apesar de o Código de Defesa do Consumidor proibir limitações sem justa causa, especialistas argumentam que o contexto atual permite tais restrições, considerando a corrida aos supermercados devido à calamidade pública no Rio Grande do Sul.


Em resposta, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) informou que os estoques e operações de abastecimento do varejo estão normais até o momento. A entidade recomendou aos clientes que não façam estoques e afirmou que solicitará ao governo a abertura de importações para garantir o abastecimento da população.


Na terça-feira (8), o governo federal anunciou a importação de até 1 milhão de toneladas de arroz para evitar a escassez do produto no mercado brasileiro.


Apesar disso, o mercado e especialistas alertam que é cedo para mensurar a pressão inflacionária da tragédia. O preço do arroz segue a cotação internacional e, atualmente, está em patamar reduzido. O Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) informou que 82,9% das lavouras já foram colhidas, restando cerca de 150 mil hectares.

Nos siga no BlueSky AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.


Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA