top of page

Supervia afirma que não quer mais operar trens no Rio

A companhia alega entre outros motivos a perda da receita com a pandemia, o prejuízo com o furto de cabos e o congelamento da tarifa


Foto: Henrique Freire/Governo do Rio de Janeiro
Foto: Henrique Freire/Governo do Rio de Janeiro

G1 - A Supervia enviou um ofício à Secretaria Estadual de Transportes fluminense nesta quinta (27) para comunicar que quer deixar a concessão dos trens urbanos na Região Metropolitana do Rio. A empresa está na operação da malha ferroviária desde novembro de 1998.


A companhia alega, entre outros motivos, a perda da receita com a pandemia, o prejuízo com o furto de cabos e o congelamento da tarifa.

Até a última atualização desta reportagem, o governo do RJ não tinha comentado a decisão da Supervia. Também não se sabe quando será feita a devolução.

A empresa está em recuperação judicial desde junho de 2021.


A TV Globo teve acesso ao ofício. A carta é assinada por Masato Kaneko, da Gumi Brasil Participações, controladora da Supervia no Brasil. No texto, a empresa diz “que não há possibilidade de assumir obrigações adicionais de suporte financeiro”, como propôs o estado. CCR Barcas também desistiu - Esta é a segunda desistência de uma concessionária de transportes do RJ em menos de seis meses. Em novembro do ano passado, a CCR tinha avisado ao governo que encerraria as atividades em fevereiro deste ano.

No caso das barcas, o estado costurou um acordo que manterá a CCR na operação por até dois anos, até que o serviço seja novamente licitado. O novo entendimento prevê o reconhecimento de dívidas pelo estado e um calendário de pagamentos de indenizações para a concessionária.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA