top of page

União e resistência contra a perseguição política em São Gonçalo

Encontro entre Dimas Gadelha (PT), Prof. Josemar (PSOL) e Romario Regis (PCdoB) ocorreu na Praia das Pedrinhas e serviu como um "esquenta" para 2022


Por Cláudio Figueiras

No cardápio dourado e democracia/Foto: Reprodução Facebook
No cardápio dourado e democracia/Foto: Reprodução Facebook

Os vereadores Prof. Josemar (PSOL), Romario Regis (PCdoB) e o médico sanitarista Dimas Gadelha (PT) - que por muito pouco não vence as eleições em 2020, tornando-se o primeiro prefeito progressista da história de São Gonçalo - se reuniram em um almoço na tarde desta terça (21) na Praia das Pedrinhas.


No cardápio, além do dourado com molho de camarão, um assunto indigesto para a democracia: a tentativa de cassação dos mandatos dos parlamentares de oposição ao governo Nelson Ruas (PL) pela mesa diretora da Câmara de Vereadores da cidade.


A gente apanha e briga por conta do atual Governo, mas é sempre bom fazer uma pausa para continuar as lutas que estão chegando. Nosso grande amigo Dimas Gadelha manifestou solidariedade para a tentativa de cassação do nosso mandato e além disso, conversamos sobre os desafios dos próximos anos em São Gonçalo”, disse Romario Regis, em suas redes sociais.



Em ato unificado, os três postaram em suas páginas no Facebook e Instagram a mesma foto que registrou o encontro, símbolo da união em defesa da democracia, da existência do contraditório e da diversidade contra o autoritarismo na política, marca do atual governo.



As postagens tiveram milhares de interações e mensagens de solidariedade aos dois vereadores, que já contam com o apoio de mais de 8 mil pessoas que assinaram a Petição online em defesa dos seus mandatos, no ar desde 17/12.


Eu só tenho a agradecer por todo o carinho, apoio e solidariedade que tenho recebido ao longo dos últimos dias. Podem acreditar que isso é um grande combustível para seguir na luta. Podemos ir ainda mais longe!”, agradeceu Josemar.


Dimas Gadelha, que já havia tornado públicos em suas redes sociais sua solidariedade e o repúdio contra a perseguição covarde aos dois únicos vereadores progressistas do parlamento gonçalense, teve a oportunidade de fazê-lo no encontro que se transformou num dos maiores fatos políticos do ano da esquerda em São Gonçalo, um verdadeiro “esquenta” para 2022.


Defender a Educação e o direito do povo de participar da Câmara não são crimes. Crime é fome, o desemprego, o desamparo, o sucateamento do serviço público, a desvalorização do servidor público. Estamos ao lado dos trabalhadores, por isso somos solidários ao Prof. Josemar e ao Romario Regis”, finalizou Dimas.




Contextualizando

Os vereadores Prof. Josemar e Romario Regis foram denunciados à Comissão de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar, acusados de facilitar indevidamente a entrada dos professores ao Plenário onde se realizava a votação de mensagem do governo Nelson que retirava direitos da categoria.


Caso a comissão aceite a denúncia, os parlamentares terão cinco sessões, a partir de março, para se defenderem.


Dos 27 vereadores, 24 são da base do governo Nelson Ruas.