top of page

Caixa Econômica deixará clubes, por Victor Machado



Por decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), o banco CAIXA não poderá mais patrocinar equipes de futebol no Brasil. A entidade definiu que é “irregular a prorrogação de contratos de patrocínio” de empresas estatais, uma vez que os mesmos “não se constituem em serviço de natureza contínua”. Este acórdão complicou a vida de alguns clubes que dependem desse recurso, como o Flamengo, Botafogo, Santos, entre outros.


Patrocínios nos esportes são cíclicos, um bom exemplo é o da Fórmula 1. Na década de 1980 as indústrias do cigarro e das bebidas bancavam a categoria. Atualmente as montadoras de automóveis e as empresas ligadas a tecnologia da informação são as financiadoras das equipes.

No futebol Brasileiro, após a liberação da prática, em 1982, clubes correram atrás dessa nova fonte de receita para bancar o futebol por meio do marketing esportivo. O patrocínio da PETROBRÁS, gigante estatal do petróleo, no Flamengo foi o mais longevo do futebol brasileiro (entre 1984 e o início de 2009), explorando de forma quase ininterrupta a marca de lubrificantes LUBRAX.

Tivemos ainda, em 1987, durante a polêmica Copa União, a COCA - COLA praticamente patrocinando todos os times da série A. Já na década de 1990 a Parmalat trouxe um modelo avassalador em termos de investimentos em atletas, algo semelhante, fez a UNIMED no Fluminense na década seguinte.

Atualmente, temos novamente o atual campeão brasileiro, o Palmeiras com a força do banco CREFISA e boa parte dos seus rivais em um mar de incertezas, com o fim definitivo do apoio estatal. Dessa forma, parece que inicia uma era dos patrocínios dos bancos privados, um setor que não viu crise nos últimos anos na combalida economia Brasileira.

POLÍTICA