top of page

A Boniteza que revoluciona e transforma, vencerá

Por Ericka Cunha

Foto: Divulgação internet
Foto: Divulgação internet

Em tempos de tanta obscuridade, tanto extremismo, tanta disseminação do ódio que visa nos fazer lutar uns contra os outros, criando a ilusão de que seria possível convivermos em pequenas bolhas sociais. E visando fazer uma singela homenagem aos professores, professoras e professorxs, escolhi lhes falar de “BONITEZA”.


Para além da palavra, trago a palavra-conceito “Boniteza” que ganhou amplitude na filosofia crítica da educação desenvolvida por Paulo Freire. Este novo conceito criado pelo autor e apresentado em obra recentemente publicada, carrega o significado da transformação social ligada a ideia de humanização. Este conceito nos ajuda refletir sobre a complexidade da feiura social na qual estamos mergulhados.


Humanizar é preciso... Freire (2021), nos alerta que é o coletivo, sobretudo, que vai garantir a construção desse novo mundo, este que queremos e pelo qual estamos lutando.


A palavra “Boniteza” não tem a ver apenas com aparência, mas carrega um significado intrínseco que ecoa para além da significação do belo, mas com a crença de um mundo mais justo. É posicionamento político e por isso, significa lutar de forma diferente pela garantia de direitos civis e humanos, trabalho justamente remunerado, comida na mesa, escola pública e democrática de qualidade.



Então eu quero aqui de forma direta conclamar todas as pessoas, mas em especial os profissionais da educação, sobretudo da educação pública, que atuam de maneira incansável na transformação de vidas, que escolhem diariamente, através de seu trabalho tirar da invisibilidade os sujeitos para os quais o Estado Instituído decidiu virar as costas.


Sejamos “Boniteza” na luta pelo amor revolucionário.


É preciso acreditar que a amorosidade derrotará o ódio e a ignorância instaurada no Brasil.


Destaco aqui, que Paulo Freire não acreditava no fim da história, e neste sentido nos alertava que o presente e o futuro somos nós que construímos. Justamente por isso, precisamos lutar permanentemente pela humanização dos sujeitos, buscando sempre a transformação social, na perspectiva da “Boniteza” proposta por Freire.


A Boniteza precisa ser incorporada como uma atitude, através da qual poderemos superar a feiura destes tempos tão sombrios e obscuros, que afetam a sociedade brasileira.


Sejamos Boniteza, em nossas ações, nossos discursos, e nossas práticas cotidianos…


Expresse sua "Boniteza" com a força de seu VOTO!

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


Ericka Cunha – Pedagoga, servidora pública, Professora Universitária e doutoranda em Educação na UFF.



POLÍTICA