top of page

Calouros sofrem queimaduras após uso de creolina em trote violento na UFPR

Ao todo 21 estudantes do curso de medicina veterinária tiveram de ser encaminhados ao hospital municipal de Palotina com queimaduras de 1º e 2º

grau


Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Revista Fórum por Correio Braziliense - Os trotes universitários violentos voltaram a ferir e assustar alunos que deveriam estar celebrando o fato de ingressarem no curso superior. Desta vez, o caso ocorreu na Universidade Federal do Paraná (PR), campus de Palotina, interior do estado.


Ao todo, 21 estudantes do curso de medicina veterinária tiveram de ser encaminhados ao hospital municipal, nesta quarta (30), com queimaduras de 1º e 2º grau. Todos já foram liberados.


Segundo informações da Polícia Civil do Paraná (PC-PR), o trote foi realizado em frente à universidade como parte da “recepção” aos novos alunos.


Os calouros foram obrigados a pedir dinheiro no semáforo e, em seguida, levados para um terreno baldio, enquanto os veteranos jogavam um produto nas costas deles, o que provocou as lesões.


A polícia informou que, no local, foi encontrado um litro de creolina, desinfetante e germicida de uso veterinário.


Quatro pessoas foram presas em flagrante e vão responder por lesão corporal gravíssima, além de constrangimento ilegal. A polícia continua investigando com o objetivo de localizar mais suspeitos.


Em nota, a universidade informou que abriu um processo interno para apurar o caso.


Veja a íntegra da nota da UFPR:


Universidade Federal do Paraná adota a posição institucional do trote sem violência, na conscientização dos alunos de que a recepção aos calouros deve ser um momento de alegria e integração com os veteranos.


A UFPR não tolera nenhum tipo de violência e o episódio infeliz envolvendo calouros em Palotina é um caso isolado. A direção do Setor Palotina já abriu o processo de apuração de responsabilidade sobre esta ação de trote violento que resultou em queimaduras nos calouros.


O Reitor Ricardo Marcelo Fonseca enfatiza: “em primeiro lugar me solidarizo com os calouros e suas famílias, que deveriam estar em um momento de comemoração, alegria e não de dor. Porém, ressalto que a UFPR está indignada e que tomaremos rigorosas e imediatas medidas de apuração de responsabilidades, na medida que temos tolerância zero com relação ao trote violento e todas as demais formas de violência física, verbal ou mesmo simbólica”.


O estudante ou membro da comunidade que presenciar qualquer ato violento, discriminatório ou constrangedor com relação à recepção dos calouros pode realizar denúncia pelo telefone 41-984021131 ou por meio dos endereços de e-mail alertatrote@ufpr.br e acolhe.sipad@ufpr.br.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.





POLÍTICA