top of page

Caso Henry Borel: fase preliminar do julgamento começa nesta semana

Cinco testemunhas consideradas peças-chave pelo MPRJ não foram localizadas

Foto: reprodução redes sociais
Foto: reprodução redes sociais

Brasil de Fato - A primeira audiência de instrução do caso Henry Borel ocorre na quarta (6). Porém, cinco testemunhas de acusação que são consideradas peças-chave pelo Ministério Público do Rio de Janeiro não foram localizadas pela Justiça. Em caso de não comparecimento, todas serão intimadas novamente.



As cinco testemunhas não localizadas são as médicas do hospital onde o menino chegou já morto Maria Cristina Souza Azevedo e Viviane dos Santos Rosa, o executivo do hospital Pablo dos Santos Meneses, a ex-babá de Henry Thayná Oliveira e a ex-mulher de Jairinho, Ana Carolina Ferreira Neto, que reafirma o histórico de violência do ex-vereador. A informação é do jornal Extra.


Segundo a reportagem, em alguns dos casos, apesar da testemunha não ter sido pessoalmente intimada, o oficial de Justiça deixou recados com familiares ou amigos, por isso o promotor do caso, Fábio Vieira, acredita que elas possam comparecer. Outras sete testemunhas de acusação foram encontradas e convocadas para a audiência da próxima quarta, entre elas o pai de Henry, Leniel Borel, e investigadores do caso.





O laudo médico aponta que o menino teve hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente, e que o corpo da criança apresentava equimoses, hematomas, edemas e contusões que indicam traumas anteriores à morte.


POLÍTICA

KOTIDIANO