top of page

Janeiro, mês da Visibilidade Trans no Brasil

Por Félix Lino



Olá querides!!!


Já começamos 2024 bombando...


Janeiro no Brasil é o mês da Visibilidade Trans.


Neste mês tivemos muitas atividades espalhadas no país, uma delas que é histórica foi: Após 20 anos de lutas pela visibilidade trans, a pauta alcançou um patamar histórico na noite dessa segunda-feira (29), durante evento ocorrido no Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC). Repleto de falas impactantes e de anúncios voltados para a proteção e promoção dos direitos das pessoas trans no Brasil, o evento contou com a presença do ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, e marcou a instituição do prêmio Fernanda Benvenutty, que homenageou iniciativas de promoção de direitos e de formulação de políticas voltadas à cidadania e à dignidade das pessoas trans ao longo dos últimos 20 anos. Foi lindo e emocionante de ver.


Vou contar um pouco da história da visibilidade trans no Brasil, que tem avançado ao longo do tempo. Décadas Passadas, Até meados do século XX, a visibilidade trans era escassa, e as pessoas trans enfrentavam forte estigma social.


Anos 90: Surgiram os primeiros movimentos de ativismo trans no Brasil, com destaque para a luta pelos direitos e visibilidade. Início dos anos 2000: A visibilidade trans ganhou força com eventos e paradas LGBTI+, proporcionando espaços para expressão e reivindicação de direitos.


Avanços Legislativos: O reconhecimento legal começou a se fortalecer, com medidas como a inclusão do nome social e a criminalização da discriminação por identidade de gênero.

Meios de Comunicação e Redes Sociais: A visibilidade trans aumentou com personalidades trans na mídia, impulsionando a representação positiva e desafiando estereótipos.


Lutas Contínuas: Apesar dos avanços, persistem desafios, incluindo a violência e discriminação, destacando a importância contínua da visibilidade trans para promover a compreensão e a igualdade no Brasil.



Governo: no início do 3° mandato do presidente Lula foi lançado a Secretária Nacional dos Direitos das pessoas LGBTI +, que tá agitando o país com a Secretária Symmy Larrat.


Temos algumas conquistas como pessoas trans na política também mas temos muito ainda pra alcançar, Não acabou, até mesmo porque o preconceito e a falta de respeito permanecem crescentes...


Vindo pra São Gonçalo RJ, só avançamos na questão do Centro de Referência Municipal aprovado no governo Nanci, aprovada em lei, ainda é a única política pública comprovada na cidade pois foi uma luta conjunta e coletiva de ativistas e coletivos que se uniram para conseguirmos um local adequado de atendimento social.


Tivemos também ao longo desses 21 anos de luta aqui na cidade, mais outras 3 leis aprovadas para a população lgbti+ no geral (entre elas o conselho que não funciona por erros no texto) e o 1° homem Trans da história da cidade eleito em um conselho municipal (este que vos fala).


Ainda falta muito pra chegar pareado a algumas cidades que já avançaram tanto em políticas públicas quanto sociais.


Dia 29 de janeiro foi o dia da Visibilidade Trans (temos o dia mundial também mas depois conto essa história pra vocês!).


Em São Gonçalo não tivemos avanços para a população trans, ainda vivemos a exclusão, o abandono, a falta de solidariedade, o preconceito, falta de respeito e empatia, falta de amor, o apontar de dedos e risadas de deboche com nossos corpos. Embora seja um direito nosso como nos vestimos, andamos e/ou nossos comportamentos que é apenas e exclusivamente problema nosso (e tá tudo bem), nos falta educação de qualidade, nos falta acesso à saúde, ao lazer, à cultura, etc.


Nos falta tudo menos nosso orgulho de ser quem somos para continuar lutando pelo que queremos.


Finalizo aqui falando sobre uma pergunta que me fizeram essa semana. Vieram me perguntar o seguinte:


- Vocês não acham que já conseguiram muito não, o que mais vocês querem?


Eu respondi: enquanto tivermos que lutar por direitos, resistir para existir e brigar por respeito ainda não conseguimos nada, então continuaremos lutando e avançando cada vez mais!


***


Esse artigo não reflete necessariamente a opinião do Jornal Daki.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI


Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



Félix Lino é presidente do grupo Liberdade Santa Diversidade em defesa dos direitos humanos. @felixlinooficial