top of page

Livro Fumacê será lançado na Bienal do Rio

Livro conta histórias reais de pessoas normais como qualquer ser humano


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

FumaSerei!!!!


Foi essa a expressão que em uma de nossas reuniões para chegar ao ápice desta obra literária, entre risos e lágrimas, percebeu -se que não era mais um livro de histórias comuns.


O livro do Fumacê nasce, como toda criatura tendo em suas fases de amadurecimento do óvulo até o parto. Quase um filho. Aliás, esse pode ser chamado de coração de mãe também.

Onde sempre cabe mais um.


A idéia do livro, até passou por muitos, mas só passou. Como tantas histórias lindas que foram se sucumbindo com a esperança de dias melhores. A dignidade que se perdeu, a tristeza que tomou o lugar das lindas histórias de família e das cantigas e brincadeiras de roda. Uma nuvem se formou este lugar, que então fica conhecido por histórias sangrentas e violências constantes. Invasões, operações policiais, guerras de facção por poder .


Mas e os sorrisos, as tias, madrinhas, vizinhos e vizinhas que construíram este lugar e ajudaram a erguer muita gente aqui! Pois sim! Eles estão não na maioria, mas descritos e agora eternizados como escritores o declarantes de uma história onde a Favela Venceu!



Venceu com o rapaz e a moça que se formaram Oficiais das forças armadas, do jovem padeiro que teve uma vida de desafios e hoje é dono de duas padarias no local. Venceu com a lavadeira que formou os filhos, a dona da tendinha que hoje tem seus filhos no exterior, com a passadeira, o pedreiro, o pintor!


O Guarda Municipal, o Músico, a Pedagoga , o Bombeiro, a Farmacêutica a Influenciadora Social e o Escritor.


Este último, Bruno Black! O único idealizador que conseguiu tirar dos sonhos engessados e transformar em realidade uma história do Fumacê que ninguém conhece. O lado belo, gente do bem, histórias de vida e nostalgia que se miscigenam neste lugar. Anônimos que hoje se tornam protagonistas de sua própria história.


“Quando cresci, descobri que não

podia falar o nome do lugar onde

eu morava! Mas como? Eu amo o que meu lugar!”

Bruno Black


Agora, e sem mais demora, vemos ser contada a quem interessar, não só a história de um lugar com nome de Presidente, mas inúmeras histórias de vida, de amor, dor e superação!


É sobre isso!


Texto: Carla MMoraes

Escritora, Poetisa, Mãe, esposa, Influenciadora Social e amiga de Bruno (Silva) Black!!!


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso canal do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA