top of page

'Orelha', suspeito de ajudar a destruir carro usado no assassinato de Marielle, é preso


A prisão foi efetuada em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias, pela Polícia Federal

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha, foi preso nesta quarta-feira (28). Dono de ferro-velho, ele é acusado de ajudar os assassinos da vereadora Marielle Franco a se desfazerem do carro GM Cobalt usado no crime. As informações são do g1.


A prisão foi efetuada em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias, pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público (MPRJ).


A denúncia foi oferecida pela força-tarefa do Gaeco em agosto de 2023. Segundo a investigação, Orelha impediu e atrapalhou as investigações ao destruir o carro em um desmanche no Morro da Pedreira, na Zona Norte do Rio.


Orelha era conhecido de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, presos como executores do crime. Segundo a delação premiada de Élcio, o dono de ferro-velho foi acionado pelo ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, o Suel – também preso –, para se livrar do veículo usado no atentado que matou Marielle e o motorista Anderson Gomes, em março de 2018.


De acordo com Élcio, Orelha tinha uma agência de automóveis e foi dono de um ferro-velho. Assim, ele tinha contato com pessoas que possuem peças de carros.Segundo o depoimento, dois dias depois do assassinato, Ronnie e Élcio levaram Orelha até o local onde estava o veículo, em uma praça na Avenida dos Italianos, em Rocha Miranda.


"Ronnie foi falar que era para dar um sumiço no carro, e o Orelha cortou e disse que o Maxwell [Suel] já havia explicado a ele [Orelha] e que ele [Orelha] não queria saber de nada", afirmou Élcio na delação.


Segundo o ex-PM, Orelha tinha "pavor" de Ronnie Lessa e, durante essa conversa, estava desesperado para ir embora.


Élcio contou aos investigadores que depois desse encontro ficou sabendo por meio do Suel de que o carro usado no crime foi para o "Morro da Pedreira", onde havia um desmanche de carro.


"Quando eu perguntei pra o Orelha se havia dado sumiço no carro, ele me cortava e desconversava", disse.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA

KOTIDIANO