top of page

Papa Francisco pede a fiéis que não condenem seus filhos pela orientação sexual

Esta é a segunda vez que o pontífice defende o diálogo entre pais e filhos LGBTs


Foto: Alberto Pizzoli / AFP
Foto: Alberto Pizzoli / AFP

Carta Capital - Nesta quarta (26), o Papa Francisco fez o apelo para que pais não condenem suas crianças pela orientação sexual. Durante a audiência semanal do Vaticano, enquanto discursava sobre as dificuldades da paternidade o pontífice voltou a declarar apoio e mostrar preocupação com a comunidade LGBTQIA+.


“Pais que veem diferentes orientações sexuais em seus filhos, lidem com isso e acompanhem seus filhos. Não se escondam atrás de uma atitude condenatória. (…) nunca devem condenar seu filho”, disse o Papa.


Esta é a segunda vez que o pontífice defende o diálogo entre pais e filhos LGBTs. Em 2018, ele já havia dito que pais de crianças LGBTs deveriam dialogar e dar “espaço para que a criança possa se expressar” e que, em vez de expulsá-las, os pais devem rezar e tentar entendê-las.




No ano passado, Francisco XVII admitiu que LGBTS têm o direito de serem reconhecidos e devem ser acolhidos por suas famílias. O Papa também reforçou que, ainda que a igreja não reconheça o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo, a união civil é um direito garantido por lei.


A defesa dos direitos LGBT e o diálogo aberto do Papa, que lidera a igreja desde 2013, desafiam diretrizes do Vaticano, que em 2021 anunciou que idera a igreja desde 2013, desafiam diretrizes do Vaticano, que em 2021 anunciou que padres e outros ministros não podem abençoar casamento entre pessoas do mesmo sexo, pois tais bênçãos não seriam lícitas, uma vez que “Deus não pode abençoar o pecado".

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.





POLÍTICA