top of page

Rio não recebe doses e atrasa início da campanha de vacinação contra mpox

Município aguarda o envio de doses do Ministério da Saúde para iniciar imunização


Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Brasil de Fato - Na última semana, o Ministério da Saúde informou que a campanha de vacinação contra a mpox, doença antigamente chamada de “varíola dos macacos”, seria iniciada em todos os serviços de vacinação do Brasil.


Embora algumas das principais cidades do país já tenham iniciado o esquema vacinal na segunda (13), no Rio de Janeiro, a aplicação das doses ainda não teve início.


Procurada pelo Brasil de Fato, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio disse que aguarda o envio de doses do Ministério da Saúde para iniciar a vacinação. No entanto, não deu detalhes de previsão de início.


Quem poderá ser vacinado? De acordo com o Ministério da Saúde, a primeira fase da campanha focará em grupos de risco para as formas graves da doença, como pessoas que vivem com HIV/aids e profissionais de laboratórios que atuam em locais de exposição ao vírus.


Com cerca de 47 mil doses disponíveis no Programa Nacional de Imunizações (PNI) para uso na população, o esquema de vacinação tem indicação de duas doses para cada pessoa.



No caso da vacinação pré-exposição ao vírus, receberão as doses as pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA) com status imunológico identificado pela contagem de linfócitos T CD4 inferior a 200 células nos últimos seis meses [condição que deixa o sistema imune menos capaz de combater determinadas infecções]. De acordo com o Ministério da Saúde, este público representa atualmente cerca de 16 mil pessoas em todo o país.


Também profissionais de laboratório que trabalham diretamente com Orthopoxvírus [a família do vírus da monkeypox] em laboratórios com nível de biossegurança 3 (NB-3), de 18 a 49 anos de idade.


Já no caso da vacinação pós-exposição ao vírus, receberão as doses pessoas que tiveram contato direto com fluidos e secreções corporais de pessoas suspeitas, prováveis ou confirmadas para mpox, cuja exposição seja classificada como de alto ou médio risco, conforme recomendações da OMS.


Mudança de nome - A mudança de nomenclatura de monkeypox para mpox foi anunciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 28 de novembro de 2022, após denúncias de discriminação e racismo e de notícia de assassinato de macacos no Brasil. O prazo para que o mundo adote a nova nomenclatura é de um ano. A monkeypox não é uma doença de macacos, nem se trata de uma doença nova ou um vírus novo, tendo sido descrita em 1958.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA