top of page

Saiba o que é afasia, doença que tirou Bruce Willis das telas

A família do ator divulgou comunicado nesta quarta onde agradece aos fãs do mundo inteiro que aplaudiram o astro durante a sua carreira no cinema


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Revista Fórum - A família do ator Bruce Willis anunciou nesta quarta (30) que o ator, que está com 67 anos, vai se aposentar. A decisão se dá após um diagnóstico de afasia, um distúrbio de linguagem que afeta a capacidade de comunicação.


"Aos incríveis apoiadores de Bruce, como família queremos compartilhar que nosso amado Bruce está passando por problemas de saúde e foi diagnosticado recentemente com afasia, que está impactando suas habilidades cognitivas. Como resultado disso e, após muita análise, Bruce está saindo da carreira que significou tanto para ele", diz o comunicado divulgado pela família do ator.


O ator Bruce Willis se tornou um ícone do cinema estadunidense ao estrelar os filmes de ação "Duro de Matar", que teve a sua primeira parte lançada em 1988. Entre o final dos anos 1990 e começo dos anos 2000, o ator voltou a brilhar em filmes como "O Sexto Sentido" e "Pulp Fiction".


De acordo com documento do instituto de pesquisa do Albert Einstein, as afasias são condições que alteram a capacidade dos pacientes de se comunicar de forma adequada afetando as seguintes funções:


- Capacidade de falar ou se expressar verbalmente - Compreensão da linguagem verbal - Compreensão da linguagem escrita (leitura), - Capacidade de escrever.

Elas normalmente ocorrem após lesões cerebrais, que geralmente acometem o lado esquerdo do cérebro, principalmente as regiões frontais e temporais à esquerda, onde a maioria das pessoas possuem as redes neurais que possibilitam as funções cerebrais da linguagem.


O documento também destaca que é importante não se confundir a afasia com alterações da fala como a disatria, que é uma alteração neurológica caracterizada pela dificuldade em articular as palavras de maneira correta e a disfonia (rouquidão), que é toda e qualquer dificuldade na vocalização das palavras e que, geralmente, está relacionada a disfunções das cordas vocais.


Os tipos de afasias - Segundo o documento do Albert Einstein, a afasia possui alguns tipos e ela pode ser dividida em dois grandes grupos:


1) Afasias não fluentes: neste caso as pessoas apresentam grande dificuldade para encontrar as palavras, falam frases muito curtas e omitem palavras.

2) Afasias fluentes: neste caso, as pessoas afetadas podem falar com facilidade e com fluência.


Geralmente se expressão com frases longas e complexas que muitas vezes não possuem sentido no contexto da conversa. Pessoas com esse tipo de afasia geralmente não entendem o que está sendo falado e muitas vezes não percebem que as outras pessoas não conseguem compreendê-la.


Sintomas - Os principais sintomas são: falar frases curtas ou incompletas, frases que não fazem sentido, trocar uma palavra pela outra ou trocar fonemas por outros fonemas e não entender a conversa de outras pessoas, bem como escrever frases que não fazem sentido.


Causas - As causa da afasia são variadas: doenças neurológicas podem levar as afasias como AVC, este por sua vez pode levar a instalação de afasia aguda ou súbita.

As afasias também podem se instalar de forma gradual quando relacionadas a tumores cerebrais ou doenças degenerativas como o Alzheimer.


Prevenção - Infelizmente não há como prevenir diretamente as afasias. A única prevenção possível ocorre ao evitar doenças vasculares cerebrais que se dá a partir do controle dos fatores de risco para doenças vasculares como pressão arterial, diabetes, colesterol, obesidade, sedentarismo, tabagismo etc.


Tratamento - Os tratamentos para as afasias são feitos a partir de programa com reabilitação da linguagem que tem como pilar a fonoterapia.


Essa terapia envolve a prática de habilidades linguísticas e pode ensinar os pacientes a suprir deficiências com outras formas de se comunicar.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.







POLÍTICA