top of page

Sob Castro, chacinas na região da Vila Cruzeiro somam 42 mortos em 1 ano

Em todo estado foram 39 chacinas com 182 mortes


Por Cláudio Figueiras

Moradores ficaram desesperados ao se depararem com tantas vítimas — Foto: MAURO PIMENTEL / AFP
Moradores ficaram desesperados ao se depararem com tantas vítimas — Foto: MAURO PIMENTEL / AFP

Em apenas 1 ano, operações policiais no Complexo da Penha, região onde fica a favela da Vila Cruzeiro, resultaram em 42 mortes, em quatro chacinas diferentes, já sob às ordens do atual governador Cláudio Castro (PL), que assumiu o cargo em maio de 2021 no lugar do titular afastado por impeachment, Wilson Witzel (PSC).


A primeira delas ocorreu em junho do ano passado no Morro da Fé, quando quatro pessoas morreram. Um dos mortos foi um adolescente de 16 anos alvejado com um tiro na cabeça dentro de casa. São consideradas chacinas ações que resultam em ao menos três mortes.


Em duas incursões em fevereiro deste ano, 14 pessoas foram mortas na região. Com as 26 mortes até a manhã de hoje (26) contabilizadas no IML da Penha, fecha-se a conta macabra da ação conjunta da PM, PF e PRF na Vila Cruzeiro.



As informações são do UOL, a partir de dados coletados pelo Instituto Fogo Cruzado em parceria com o Geni (Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos) da UFF (Universidade Federal Fluminense), que registrou no mesmo período 182 mortes em 39 chacinas derivadas de operações da Polícia em todo o estado do Rio de Janeiro.


Maiores chacinas da gestão Castro

1. Jacarezinho (maio de 2021) - 28 mortos.

2. Vila Cruzeiro (24 de maio de 2022) - 26 mortos.

3. Vila Cruzeiro (11 de fevereiro de 2022) - 9 mortos.

4. Salgueiro, em São Gonçalo (21 de novembro de 2021) - 9 mortos.

5. Parque Floresta, em Belford Roxo (3 de fevereiro de 2022) - 7 mortos.

6. Costa Barros (20 de março de 2022) - 6 mortos.

7. Morro da Fé, Complexo da Penha (18 de junho de 2021) - 4 mortos.

8. Brás de Pina, Complexo da Penha (18 de fevereiro de 2022) - 3 mortos.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.