top of page

1 mês depois, e nada de milicos na fatura do atentado terrorista em Brasília

Indícios, evidências, nada disso colocou um militar graúdo em cana


Por Rodrigo Melo

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Hoje (8/2) faz um mês do fatídico 8/1 e nada de milico responder inquérito e muito menos ir em cana, mesmo diante de evidências que comprovam participação direta dos sem e com estrelas no quebra-quebra golpista na Praça dos Três Poderes.


Segundo a Folha de S.Paulo, parte das investigações em andamento avalia que um dos pontos que facilitaram os ataques do dia 8 de janeiro foi a manutenção do acampamento golpista em frente ao QG do Exército de Brasília.



Um dos atos infames de participação do Exército na intentona golpista foi suspender ao menos duas operações conjuntas com o Governo do Distrito Federal para retirar tendas do acampamento bolsonarista. No dia das invasões, as Forças Armadas ainda impediram a entrada da Polícia Militar (PM) para prender os golpistas.


Porém, nenhum militar, até o momento, está entre os 653 denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ou na lista dos 20 presos e alvos dos 37 mandados de busca e apreensão da operação Lesa Pátria, que tem como objetivo investigar todos os envolvidos nos ataques terroristas.


Com DCM.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.





POLÍTICA