top of page

Atendente de food truck é brutalmente agredida por clientes em Cabo Frio

Crime aconteceu após desentendimento por conta de um guardanapo na noite desta quinta (2)


Foto: Divulgação/Rede Social
Foto: Divulgação/Rede Social

Uma jovem de 20 anos foi brutalmente agredida na noite desta quinta (2) na Praia do Forte, em Cabo Frio. Yasmin de Oliveira é atendente no food truck Hot Dog da Família e foi vítima das agressões, físicas e verbais, praticadas por três clientes.


Um casal, acompanhado de um outro homem, estavam lanchando no local, quando um desentendimento por conta de um guardanapo desencadeou o crime, já no final da noite.


Um dos clientes, que não teve a identificação revelada, segundo testemunhas, aparentava estar embriagado. Ele estava na companhia de uma mulher, identificada como Quelli Motta, e outro homem.


“Ele começou a perturbar a atendente, fazendo pedidos repetidos de guardanapos, enquanto ela tentava atender a outros clientes. A atendente educadamente deixou um pacote de guardanapos ao alcance do homem, mas isso desencadeou uma série de ofensas verbais por parte dele”, conta uma testemunha, que também estava lanchando no local.



O homem começou a insultar Yasmin com palavras ofensivas, e a situação se agravou quando ela pediu respeito e afirmou que estava trabalhando. Ele então jogou o cachorro-quente em cima dela com força. O amigo dele também lançou um lanche contra a vítima.


O agressor, segundo diversos relatos, não parou por aí e deu um tapa no rosto da jovem antes de agarrá-la pelos cabelos, empurrá-la contra um carro e continuar a agredi-la. O segundo homem também participou das agressões. A mulher que acompanhava o agressor estava presente durante todo o incidente e foi vista rindo da situação.


Quando a atendente, chorando, tentou ligar para a polícia, a mulher disse que daria em nada, porque ela “era advogada”. Logo depois, o grupo agressor rapidamente deixou o local em um Jeep Commander azul registrado em nome de Qelli. As autoridades chegaram posteriormente ao local, mas disseram que não conseguiram localizar o automóvel.


Ainda conforme relatos da família de Yasmin, a jovem foi tentar registrar a agressão na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), mas devido a complicações legais, o registro não foi efetuado. Já na 126ª Delegacia de Polícia (126ª DP), ninguém atendeu.


Nesta sexta-feira (3), a vítima passa por exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML) e retorna à delegacia para o registro da ocorrência.


*Com informações O Dia


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.




POLÍTICA