top of page

Censo 2022: Brasil supera 200 milhões de habitantes

Com dificuldades orçamentárias promovidas pelo governo anterior, Censo 2022 é divulgado e mostra que o Brasil atingiu 203.06.512 habitantes


Foto: Agência Brasil/Arquivo
Foto: Agência Brasil/Arquivo

Carta Capital - Em mais de uma década, entre 2010 e 2022, a população brasileira cresceu 6,5% e atingiu 203.062.512 habitantes. Os dados oficiais são do Censo Demográfico de 2022, divulgados nesta quarta (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Com isso, a taxa de crescimento anual da população do país foi de 0,52%: a menor já observada desde o início da série histórica, ainda em 1872. Entre 2010 e 2022, a expansão da população brasileira foi de 12.306.713 pessoas.


O retrato do Brasil é apresentado à população com um atraso de quase três anos. A pesquisa deveria ter sido realizada em 2020, mas foi afetada por dois problemas centrais: a pandemia de Covid-19 e o boicote do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).


O orçamento para a realização da principal pesquisa demográfica do Brasil é relativamente baixo diante da sua importância histórica e da própria estrutura orçamentária da União: pouco mais de 2 bilhões de reais. Entretanto, apertos orçamentários do governo anterior impediram a realização do Censo no prazo tradicional, que é fundamental para a definição de um conjunto amplo de políticas públicas.


Os números apresentados hoje pelo IBGE confirmam a tendência de queda na média anual de crescimento da população, fenômeno que é identificado desde o final do século passado.


"Em 2022, a taxa de crescimento anual foi reduzida para menos da metade do que era em 2010 (1,17%)", observou Luciano Duarte, coordenador técnico do Censo.


Abaixo, estão alguns dos principais dados apresentados pelo Censo divulgado hoje:



Sudeste segue como região mais populosa do país


Com 84,8 milhões de habitantes em 2022, o Sudeste segue sendo a região mais populosa do Brasil. O contingente representa 41,8% de toda a população brasileira. Entre 2010 e 2022, a população da região registrou uma taxa de crescimento anual de 0,45%, relativamente abaixo da média nacional.


Os estados mais populosos do pais seguem sendo, pela ordem, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. As três unidades da Federação concentram 39,9% da população brasileira. São Paulo, especificamente, tem uma população oficial de 44,4 milhões de habitantes, sendo residência de pouco mais de um quinto (21,8%) da população nacional.


A capital do Rio de Janeiro, porém, foi o segundo município que mais perdeu população, desde 2010. Houve, de lá para cá, uma redução de 109 mil habitantes na sua população.



Nordeste com a menor taxa de crescimento anual da população


No Nordeste, segundo o Censo, vivem 54,6 milhões de pessoas, o que corresponde a 26,9% da população do país. Por outro lado, a região registrou uma taxa de crescimento anual de 0,24%, ficando abaixo de todas as demais regiões.


O Norte, inversamente, e a região menos populosa do pais: sao 17,3 milhões de habitantes, o que indica 8,5% da população do Brasil. Por outro lado, o crescimento da população segue: a taxa de crescimento anual registrada foi de 0,75%. Acontece, porém, que esse mesmo índice, no período 2000-2010, foi de 20,9%. Desse modo, a população do Norte segue crescendo, mas em um ritmo mais baixo.


A cidade de Salvador (BA), por exemplo, aparecia no Censo de 2010 como a terceira mais populosa do Brasil. Entretanto, de lá para cá, a capital baiana experimentou uma retração de 257,7 mil pessoas. Dessa forma, Salvador passou a ser, em 2022, a quinta cidade mais populosa do país, sendo ultrapassada, em termos de população, por Brasília (DF) e Fortaleza (CE).



A população do Centro-Oeste é a que mais cresce no Brasil


A região com a maior taxa de crescimento anual, em termos de população, no país é o Centro-Oeste. Com uma população atual de 16,3 milhões de pessoas, o Centro-Oeste registrou uma taxa de crescimento anual de 1,23%, o que significa dizer que, em doze anos, a região composta por Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul viu a sua população aumentar em 15,8%.


No Sul, que concentra 14,7% dos habitantes do país (29,9 milhões de pessoas), o aumento da população foi de 9,3% no período de doze anos.


Quase metade dos municípios do país tem menos de 10 mil habitantes


Dos 5.570 municipios oficialmente registrados no país, 2.495 (ou 44,8% do total) têm até 10 mil habitantes, segundo o Censo 2022. Nesses municípios, em específico, vivem 12,7 milhões de pessoas.


Nesse recorte, a maioria da população brasileira (57%) vive em apenas 319 municípios, o que indica uma marca do cenário demográfico brasileiro: a maior parte da população do país se concentra em centros urbanos com mais de 100 mil habitantes.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA