top of page

Padre André

Por Paulinho Freitas


SÃO GONÇALO DE AFETOS


Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Ele teve uma infância difícil, um irmão gêmeo com temperamento totalmente diferente do dele. Quando crianças, o irmão fazia as travessuras e punha a culpa nele. Todo mundo o chamava de sonso, falso e acarinhavam o fingido irmão. Sempre foi amante fervoroso das missas e rezas, temente a Deus e misericordioso com os menos favorecidos e com os animais. Já adolescente conseguiu entrar para o seminário e realizar seu maior sonho: ser padre.


Ao ser ordenado foi designado para uma pequena capela no interior do estado e feliz da vida realizava suas atividades religiosas com muita alegria e afinco. O irmão aprumou o rumo, constituiu família e seguia feliz, até o dia em que um assaltante entrou em sua casa numa madrugada para roubar. Todos dormiam, o assaltante entrou em seu quarto e ao esbarrar sem querer numa cômoda, deixou cair um bibelô, fazendo o dono da casa acordar num sobressalto. O ladrão com a arma em punho e assustado atirou e matou o homem. O assaltante foi preso e condenado.



Padre André, misericordioso era só perdão e todas as semanas visitava o assassino de seu irmão, tomava sua confissão e o alimentava espiritualmente com o corpo e o sangue de Cristo através da hóstia sagrada. Alguns outros detentos também o seguiam e se valiam deste conforto. 


Certo dia, o pavilhão onde o assassino estava foi tomado por uma terrível infecção e de nada valeram as preces e as lágrimas de Padre André. Um por um vieram a falecer. Desconsolado Padre André pediu transferência para outra cidade e depois da primeira missa dominical a primeira coisa que fez foi procurar a cadeia pública para visitar o pavilhão onde estivessem presos os mais perigosos assassinos, queria rezar por eles, pedir que Deus os perdoasse e que pusesse fim naquele sofrimento os transformando em almas renovadas, e assim começava Padre André sua nova empreitada.


Depois de cada visita, ajoelhava na frente do altar, chorava, deixava sua cabeça sobre o piso gelado. Depois seguia para a sala do Santíssimo onde estava a imagem de São Judas Tadeu e sob a imagem escondia o frasco de um poderoso veneno. Padre André visitou muitas cadeias no interior desse Brasil tentando salvar as almas dos assassinos e ladrões. São Judas Tadeu é testemunha. 

 

OBS:  Está é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência. 


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


Paulinho Freitas é sambista, compositor e escritor.


POLÍTICA

KOTIDIANO