top of page

São Gonçalo amplia Serviço de Atendimento Domiciliar

Novo programa é implantado com equipe multiprofissional

Foto: Julio Diniz
Foto: Julio Diniz

A coordenação do Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) da Secretaria de Saúde e Defesa Civil de São Gonçalo idealizou e implantou o projeto Lesão Zero há dois meses, na perspectiva de que os pacientes sejam assistidos com a atenção voltada para a lesão, onde são avaliadas tecnicamente – além da abertura física – as suas condições nutricionais, psicológicas e sociais.


A equipe multiprofissional do Lesão Zero é formada por um enfermeiro capacitado para o cuidado de lesões, uma técnica de enfermagem, nutricionista, psicóloga e assistente social. No atendimento, cada um ‘enxerga’, do seu ponto de vista profissional, o que é aquela lesão e o que pode fazer, dentro da sua área, para melhorá-la.


Assim, o paciente pode receber o material para realizar os curativos quando não há a visita da equipe do SAD, receber suplemento alimentar, ter uma dieta prescrita com alimentos de fácil aquisição e que vão ajudar no fechamento da ferida, inclusão em programas sociais e assistência psicológica, tudo dentro da necessidade de cada um.




Atualmente, o SAD atende a 470 pacientes, a maioria que saiu de internação e 80% têm lesão aberta (lesão por pressão), já que passaram muito tempo deitados. O objetivo é que esse número seja reduzido pela metade em um ano com novos materiais que estão sendo pedidos e utilizados e o novo protocolo de atendimento. O projeto também trabalha com a prevenção de novas lesões.


O aposentado Carlos Ferreira, de 79 anos, é um dos atendidos pela equipe do SAD. Com parte do pé esquerdo amputado após uma ferida, ele já sonha em ter uma prótese ao ver os resultados do novo tratamento.


A minha operação foi aberta, eu não levei pontos. O médico me avisou que poderia ter uma infecção se não cuidasse direito. E aí comecei a receber a atenção desses profissionais, que são excepcionais. A cirurgia está quase toda fechada e não vejo a hora de colocar um pezinho aqui quando estiver tudo cicatrizado”, disse o idoso.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.