top of page

Unibairros protesta contra falta de divulgação de audiência sobre mobilidade urbana na Câmara

Audiência pública, nesta segunda (18), irá debater a implantação de BRS que vai ligar Neves a Guaxindiba


Por Cláudio Figueiras

Divulgação institucional do MUVI da Prefeitura/Foto: Reprodução
Divulgação institucional do MUVI da Prefeitura/Foto: Reprodução

A Câmara de Vereadores e a Prefeitura de São Gonçalo, tendo à frente o secretário de Gestão, Douglas Ruas, promovem nesta segunda (18) audiência pública sobre mobilidade urbana. Mais especificamente sobre o Mobilidade Urbana Verde Integrada (MUVI), um corredor viário BRS que vai ligar Guaxindiba a Neves. Você sabia disso?



Pois é. Nem você e nem lideranças de associações de bairros do município, que em reunião realizada neste sábado (16), em Vista Alegre, foram pegas de surpresa, somente alertadas do evento na casa legislativa pelo ex-vereador Marlos Costa, presente ao encontro.



O convite da audiência, que será realizada às 14h e presidida pelo vereador Vinicius (SDD) foi publicado no dia 14/10 apenas na página eletrônica da Câmara sem maiores repercussões em redes sociais.


Por causa da negligência do poder público com fato tão relevante, foi redigida, ao final do encontro, nota de repúdio (leia no final da matéria) contra a falta de ampla divulgação da audiência que vai debater uma proposta de mobilidade urbana que afirmam não atender a um modelo de transporte integrado que contemple todo o território municipal.


"Entendemos que qualquer projeto relativo ao ordenamento e mobilidade urbana sem a participação do cidadão gonçalense é um ato arbitrário que revela o desprezo pelas aspirações populares por uma cidade com uma qualidade de vida digna", diz um trecho da nota, subscrita pela Federação de Associações de Moradores de São Gonçalo (Unibairros).



Marlos, vereador por duas vezes (2009-16), ex-secretário, candidato à Prefeitura em 2016, e como vice em 2020, é um estudioso do assunto mobilidade urbana e acredita que o MUVI é um projeto equivocado que não atende as necessidades atuais do município:


"O MUVI não contempla nossas necessidades porque se trata meramente de um corredor expresso para os ônibus convencionais. Não é um novo modal, como um VLT ou até mesmo um BRT. Não integra a cidade internamente e nem externamente com a região metropolitana. O gargalo do transporte em São Gonçalo com o MUVI não será resolvido e os problemas, que são estruturais, serão novamente empurrados com a barriga - observa Marlos, que confirmou presença na audiência.



MUVI

O MUVI, orçado em R$ 347 milhões, contará com o sistema BRS (Bus Rapid Service) e será implantado onde seria erguida a Linha 3 do Metrô, ao longo da antiga linha férrea que corta a cidade, ligando Neves a Guaxindiba, passando por bairros importantes, como o Centro e Alcântara.


Após desapropriações para a construção do MUVI, também está prevista a construção de uma ciclovia ao longo do corredor expresso.


Leia nota da Unibairros:


Vimos por meio dessa nota expor o repúdio sobre a convocação de uma audiência pública sobre o MUVI (Mobilidade Urbana Verde) promovido pela prefeitura sem aviso a sociedade civil organizada. Entendemos que qualquer projeto relativo ao ordenamento e mobilidade urbana sem a participação do cidadão gonçalense é um ato arbitrário que revela o desprezo pelas aspirações populares por uma cidade com uma qualidade de vida digna.


Querem nos impor um projeto sem a devida discussão com a sociedade civil, se configurando assim, uma prática autoritária incompatível com uma sociedade baseada no Estado Democrático de Direitos, e mais ainda, um projeto formulado por pessoas que somente visam o lucro sem reverter nada em troca aos munícipes.


E, por fim, esse projeto de mobilidade urbana não nós contempla, pois queremos um transporte integrado que contemple todo o território municipal.


FAMSG (UNIBAIRROS)