top of page

Presidente do PL fluminense quebra silêncio e se manifesta em apoio a Valdemar

Ato foi feito mais de 24 horas depois da prisão do dirigente nacional da legenda


Por Rodrigo Melo

Valdemar/Foto: AFP
Valdemar/Foto: AFP


O deputado federal Altineu Côrtes, presidente do PL fluminense e liderança do partido na Câmara, quebrou o silêncio e manifestou hoje (9) apoio ao dirigente máximo da legenda, Valdemar Costa Neto, preso desde ontem pela Polícia Federal no âmbito do operação Tempus Veritatis.


Em seu perfil no Instagram, Côrtes, que passou o dia todo de ontem sem comentar a ação da PF, saudou a "liderança exemplar" de Valdemar, "ao lado do presidente Jair Bolsonaro", na "consolidação do partido, posicionando-o como uma força política de destaque no Brasil".



O país parou nesta quinta (8) com a operação de busca e apreensão realizada pela PF contra o núcleo duro do governo Bolsonaro, investigado por tentar um golpe de estado no Brasil em 2022. Militares, correligionários e ex-assessores próximos ao ex-presidente foram presos ou sofreram medidas cautelares autorizadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.


Valdemar, que já cumpriu pena no caso do Mensalão, foi preso em flagrante com uma arma de fogo não registrada num hotel em Brasília que usa de moradia. Com ele também foi apreendida uma pepita de ouro bruta de origem desconhecida, que os agentes desconfiam ser de garimpo ilegal de terra indígena.


Contra o presidente nacional do PL pesam suspeitas de ter atuado junto a núcleos golpistas para desacreditar o resultado das eleições. Uma ação chegou a ser impetrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contestando o resultado das urnas, o que valeu ao partido, logo depois, uma multa de R$ 22,9 milhões aplicada pelo tribunal por litigância de má fé.



Diante dos indícios da participação do PL na trama golpista, o senador Humberto Costa (PT-PE) acionou a Procuradoria-Geral da República (PGR) para que a legenda seja investigada e seu registro seja cassado por envolvimento com atividade criminosa.


Na tarde de hoje, o juízo em Brasília decidiu em audiência de custódia manter Valdemar preso.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua. 


POLÍTICA