top of page

Enforcamento de Alexandre de Moraes regeu até encenação em carro de fazenda

Imagem com manequim simulando enforcamento do ministro parece ratificar sua afirmação de que o plano era enforca-lo na Praça dos Três Poderes


Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

A imagem começou a circular nas redes durante as manifestações de 7 de setembro de 2021, O primeiro a compartilhar foi o fotógrafo paranaense Eduardo Matysiak. Segundo ele, o clique foi feito em Guarapuava (PR), sua terra natal, e viralizou rapidamente no Twitter, atual X.


O fotógrafo marcou na ocasião tanto a Polícia Federal (PF), quanto o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.



Na foto é possível ler a inscrição no caminhão que levava o manequim como sendo da Fazenda Santa Cruz. Segundo informações veiculadas na ocasião, a fazenda é de propriedade de Felipe Dittert Taques de Macedo Cruz, criador de cavalos.




O plano era enforca-lo


A imagem, que mostra um manequim completamente careca enforcado com uma toga parecida com a usada pelos ministros do STF, tomou outra proporção a partir das declarações de Moraes.


O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disse, em entrevista ao jornal O Globo nesta quinta (4), que um dos planos dos bolsonaristas em 8 de janeiro de 2022 era enforcá-lo na Praça dos Três Poderes:



"Eram três planos. O primeiro previa que as Forças Especiais (do Exército) me prenderiam em um domingo e me levariam para Goiânia. No segundo, se livrariam do corpo no meio do caminho para Goiânia. Aí, não seria propriamente uma prisão, mas um homicídio. E o terceiro, de uns mais exaltados, defendia que, após o golpe, eu deveria ser preso e enforcado na Praça dos Três Poderes. Para sentir o nível de agressividade e ódio dessas pessoas, que não sabem diferenciar a pessoa física da instituição", afirmou.


*Com informações Revista Fórum


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.