Buscar

O camboatá medonho do Rio Madeira, por Erick Bernardes


Ele/Foto: Reprodução

As nuvens cinzentas pesaram, o céu sombrio chuviscou — e o vento espalhou pelo bairro inteiro a molhadeira que só fez crescer o leito do rio. Naquela época chamariam de valão o córrego escurecido pelo esgoto doméstico, no entanto, tratava-se desde muito do sofrido Rio Madeira a atravessar a Rua do Meio, no bairro Engenho Pequeno, e se esticar até o Lindo Parque.


Toninho olhou a lama característica da margem encharcada que se formou rapidamente. Pronto, dali para frente, era só aguardar as rãs coaxarem animadas com vistas à reprodução da espécie. Mole, mole era pegar aquelas rãs, ficavam alvoroçadas, bastava-nos ouvir o som de acasalamento do anfíbio excitado e enfiar a mão entre o capim lamacento na cabeceira do rio e pronto: rã enorme e robusta capturada.


Contudo, naquele dia aconteceu diferente, Toninho, após já contar com quatro rãs parrudas enfiadas na fieira feita de galho fino de aroeira, calhou de apalpar uma espécie diferente. Sim, exato, a mão mergulhada no meio da macega com lodo lá no fundo ofereceu ao catador um animal distinto. Os vizinhos Paulo Bigode e Tarciso Coalhada com olhares solenes pronunciaram equivocados em uníssono o nome do bicho capturado.


— É um bagre.


Enquanto um terceiro cidadão completava a informação errada, jurando se tratar de um tipo de cascudo de água doce, Dona Neia matava a charada, oferecendo lições de biologia popular.


— Isso é um camboatá, seus manés! Nem parece que se criaram no Engenho Pequeno. O problema é que esse camboatá é albino, possui a cor branca e olhos vermelhos. Sinal de mau agouro, isso sim. Vocês conhecem a lenda. Quem tocar no bicho tem mais é que se cuidar.


Bem, impossível ao moleque Toninho ouvir a previsão medonha da vizinha sem ficar perturbado. "Cruz, credo", externou insatisfação e fez o sinal da cruz. De fato o peixe nativo esbranquiçado constituía aberração. Assim, se o camboatá normal, alheio a anomalias, consistia raridade pra época, que diríamos nós sobre essa espécie cascuda portando o corpo sem pigmentação e de olhos avermelhados? Na melhor das hipóteses sombrios, asquerosos.


E assim, o menino Toninho, pescador do camboatá albino do Rio Madeira, ficou para sempre na memória dos moradores do Engenho Pequeno. Ele lançou de volta o peixe estranho no rio.


Quer saber qual o agouro que assolou para o resto da vida o pobre coitado? Perdão, não posso revelar. Reza a lenda que aquele que souber o segredo receberá para si também os mesmos agouros e sortilégios medonhos.

Erick Bernardes é escritor e professor mestre em Estudos Literários.




MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon