Buscar

São Gonçalo e seus ícones: Altay Veloso

São Gonçalo e seus ícones

9

ALTAY VELOSO

Compositor, instrumentista, cantor e poeta e muito mais


Por Erick Bernardes

Foto: Revista Raça

“São 40 anos de aventuras

Desde que mãe teve a doçura

De dar a luz pr’esse seu nego

E a vida cheia de candura

Botou canção nesses meus dedos

E me entregou uma partitura

Pra eu tocar o meu enredo…”


Os versos acima renderam gravações memoráveis de Emílio Santiago e Leny Andrade, já completaram 23 anos, mas o enredo é muitíssimo atual e pertence ao compositor, cantor e instrumentista Altay Veloso” (Revista Raça)


Altay Veloso veio ao mundo em 26 de fevereiro de 1951 e é daqueles gonçalenses que verdadeiramente vestem a camisa do município. Figura carismática e orgulhosa de ter nascido em São Gonçalo, este filho da cidade está em plena produção e vitalidade ímpar. Altay começou na vida artística como músico guitarrista da cantora Wanderléa e, em 1980, gravou o LP "O cantador" pela RCA Victor. Nesse disco de estreia interpretou várias composições de sua autoria, como “Canção de Deus”, “Isso é tudo, isso é nada”, “O cantador”, “Meu nome é noite vadia” e uma adaptação literária da obra de Saint Saens, “O cisne”, além de uma parceria com seu pai, Aguillar Velloso, sob o título “O homem do sertão”.


No ano de 1983, pela gravadora Polydor, lançou o disco “Avatar”, no qual interpretou diversas composições de suas. Importa ressaltar as muitas obras de Altay interpretadas por renomados outros artistas, por exemplo: Reinaldo, em 1990, interpretou “Corpo”, do disco “Coisa sentimental”, este lançado pela gravadora Continental. Ademais, Rosa Maria gravou "Cantei um blues", de Altay Veloso, em parceria com o poeta Paulo César Feita e teve a canção "Luz" (c/ Paulo César Feital), interpretada por Clarisse Grova, quando esta venceu o "Festival Sul Americano de Música de Foz do Iguaçu". Já em 1995 as composições "Tá valendo" e "Vã filosofia", ambas em parceria com o poeta Paulo César Feital, quando compuseram o CD de estreia da cantora Dorina "Eu canto samba". Esses são só exemplos dos muitos trabalhos e sucessos de Altay, pois há páginas e mais páginas de referências e que nos conduziriam a um inventário enorme de canções.


Um dado de suma importância para os brasileiros e para o mundo (por que não?) se deve ao fato de Altay Veloso ser um dos poucos brasileiros contemporâneos a ter escrito (isso foi em 2005), um libreto de ópera denominado "Alabê de Jerusalém". Uma obra de arte monumental e, juntamente a esta, publicou-se o livro de sua autoria "Ogundana, o Alabê de Jerusalém". Mas, antes disso, ainda em 2004, nosso mestre da música lançou "Alabê de Jerusalém" em disco. Exatamente, quando vários convidados interpretaram sua música de ópera. Só para mostrar o quilate de importância, entre os participantes se destacaram: a Velha-Guarda da Mangueira, a Velha-Guarda da Portela; Jorge Aragão, Alcione, Ruth de Souza, Bibi Ferreira, Carlos Dafé, Luiz Vieira, Ivan Lins, Sandra de Sá, Paulo César Feital, Pery Ribeiro, Sílvio César, Margareth Menezes, Fafá de Belém, Lucinha Lins, Marku Ribas, Selma Reis, Cláudio Cartier, Lenine, Jorge Vercillo, Telma Tavares, Talma de Freitas, Wando, Watusi, Isabel Filardes, Os Cariocas, Elba Ramalho, Cláudio Zoli, Cris Dellano, Leny Andrade, Ronnie Marruda, Nina Jhô, entre outros.


Quando a ópera "Alabê de Jerusalém", foi parar no Canecão, ela passou a servir de base para shows que incluíram as participações de Lenine, Alcione, Fafá de Belém, Ronnie Marruda, Leny Andrade, Elba Ramalho, Cláudio Zoli, Zezé Motta, Selma Reis, Jorge Vercilo, Sandra de Sá, Pery Ribeiro, Lucinha Lins e Cris Delanno. Neste mesmo ano lançou o DVD do show e, como sempre, seu trabalho foi um sucesso.


Em 2007 apresentou a ópera no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, com arranjos e direção musical, além de regência do maestro Leonardo Bruno para a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal. No ano de 2011 apresentou-se no bar Cariocando, com participação especial do cantor e sapateador Bob Lester, de 98 anos de idade. Em 2015, ao lado de Jorge Aragão e do poeta e letrista Paulo César Feital, foi um dos convidados de violonista e arranjador José Roberto Leão Fernandes, do grupo Cartola de Noel, para o show do grupo no Teatro Rival BR. Viram aí o que é sucesso de verdade? E tudo isso na maior simplicidade e modéstia. De fato um artista nascido em São Gonçalo cuja produção ultrapassa 400 músicas, dentre as quais foram gravados por artistas das mais variadas estéticas.


Altay é um patrimônio gonçalense, autor de ópera; compositor preferido pelos muitos cantores de outros lugares. Pessoa amiga, solícito, humano ao extremo. E, se acaso você encontrá-lo por aí, flanando conversando pela cidade, não se surpreenda, bem capaz de receber dele um sorriso sincero e algumas palavras de carinho. Esse sim merece nossa reverência.

Foto: O São Gonçalo

Fonte:

http://dicionariompb.com

https://revistaraca.com.br/a-carreira-do-compositor-altay-veloso/

http://mapadecultura.rj.gov.br/manchete/altay-veloso#prettyPhoto

Erick Bernardes é escritor e professor mestre em Estudos Literários.





MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon