top of page

Artista venezuelana foi estuprada e queimada viva antes de ser morta no Amazonas

Julieta Hernández Martínez pernoitava em uma pousada para ciclistas quando foi atacada por um casal. Objetivo era roubar o celular e a bicicleta


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução



A Polícia Civil do Amazonas informou no sábado, 6, que a artista circense venezuelana Julieta Hernández Martínez, de 38 anos, foi estuprada e depois queimada antes de ser assassinada em Manaus, capital amazonense. O casal Thiago Agles da Silva, 32, e Deliomara dos Anjos Santos, 29, foi preso suspeito de cometer o crime.


De acordo com as investigações, a venezuelana pernoitava em uma pousada, próxima a corredeira do Urubuí e que serve de apoio para pessoas que transitam de bicicleta e/ou a pé pela BR-174. A violência começou quando Thiago, que vivia no lugar de favor durante os últimos sete meses, decidiu roubar o celular e a bicicleta de Julieta no dia 24 de dezembro, véspera de Natal.



A vítima estava deitada em uma rede, do lado de fora, quando o homem se aproximou com uma faca e exigiu o aparelho. Segundo depoimento de Deliomara a polícia, Thiago se aproveitou que Julieta era a única hóspede da casa e a forçou a entrar na pousada. Depois obrigou a artista a fazer sexo oral nele. Inicialmente contra o roubo, a suspeita ficou possessa de ciúme com a cena e resolveu colocar fogo em ambos. 


Mesmo coberto de álcool, Thiago conseguiu apagar as chamas com um pano molhado e chegou a prestar socorro a Julieta. No entanto, logo em seguida, ele pegou uma corda e matou a venezuelana por asfixia. Com queimaduras de primeiro grau, o suspeito correu para buscar ajuda no hospital de Presidente Figueiredo, enquanto Deliomara optou por enterrar a vítima em uma cova rasa e colocar vegetação por cima para tentar despistar o crime. 


Julieta Hernández estava desaparecida desde 23 de dezembro e foi encontrada morta na noite de sexta, 5, em Presidente Figueiredo, no interior do estado, próximo à bicicleta em que viajava do Rio de Janeiro para Puerto Ordaz, na Venezuela, onde encontraria a mãe.


Segundo amigos da artista, ela tinha o hábito de realizar longas travessias apenas pedalando e estranharam quando a venezuelana parou de responder mensagens e chamadas. 



A Polícia Militar do Amazonas informou que "corpo foi encontrado nesta sexta (5) por volta das 18h, enterrado em uma área de mata do município de Presidente Figueiredo (distante 117 quilômetros de Manaus). O Departamento de Polícia Técnico-Científico (DPTC) trabalhou na identificação do corpo para confirmar que trata-se de Julieta.


"Durante as buscas pela região, os policiais localizaram inicialmente partes da bicicleta que Julieta Hernández utilizava, o equipamento estava nas proximidades onde foi localizado o corpo. O local é próximo de um refúgio onde a mulher estava hospedada", destacou a PM.


A vítima fazia parte do Circo di SoLadies|NemSóLadies, que realiza espetáculos de música somente com mulheres. Nas redes sociais, o perfil do grupo circense lamentou a perda da integrante. "Nossa palhaça Jujuba carregava seus sonhos na bike e gerava sorrisos pelo Brasil todo. Ela se foi. Tiraram ela da gente. Sua vivacidade foi vítima de feminicídio e sua bike destroçada, assim como nossos corações. Jujuba, infelizmente não encontramos você a tempo. Tudo isso nos mostra o quanto somos pequenos diante de tamanha brutalidade. Mas você, com sua gigante grandeza contida em seu nariz, nos ensinou que é preciso ter a coragem para seguir pedalando. Nos resta a memória do seu sorriso e sua vontade de viver", postou.


*Com informações O Dia


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.