top of page

Ai que saudade! Por Rubenir Pedro Ru


Rubenir e a esposa, Graça Rocha, no Cais do Porto Novo - Outubro de 1973/Foto: Acervo familiar
Rubenir e a esposa, Graça Rocha, no Cais do Porto Novo - Outubro de 1973/Foto: Acervo familiar

Bom dia, boa tarde, boa noite, povo gonçalense e papa-goiaba. Saúde e Paz!

Aos leitores e leitoras do Jornal Daki.


Hoje trago a saudade da minha infância. Lembrar da Maria Rita ainda fechada em Arcos de bambu.


Quando vi pela primeira vez, o terreno que até hoje nossa família mora. Somos sete irmãos, porém três: Maria da Graça, Maria de Fátima e Rosenir moram neste local junto com Marlene, viúva de Tarcísio, um dos sete.


Falo com saudades na poesia/canção que se eu pudesse voltar no tempo, voltaria. Tempo em que soltava cafifa, pegava camarão com as mãos na praia do Porto Novo, brincava nas árvores do manguezal, com os amigos pegava caranguejos e aratus, mergulhava no cais e no pequeno barco pescava, comia frutas das pitangueiras e jamelões na Praia da Luz e na Praia das Pedrinhas tomava banhos em águas limpas.


Saudades do Colégio EPN (Escola do Porto Novo). Da diretora Dejanira e professoras. Das centenas de colegas que ao sair da escola atravessavam as ruas do bairro comendo “coco-de-catarro” e pão com banana. Aprontávamos, nos divertíamos apertando as campainhas e fazendo barulho com os tamancos de madeira.


Brincadeiras de derrubar os livros dos colegas como "Papai mandou" e o "baculeja" pegando bolas de gude de quem estava jogando.


Com certeza há outras tantas travessuras onde meninos e meninas do nosso tempo sentem saudades e estas lembranças são as inspirações para esta semana:


“Saudade de criança”


Ah que saudade,

Do meu tempo de criança!

Quanta saudade!

Meu pai não sai da lembrança!


Soltando cafifa

Rodando pião

Me carregando no colo.

Amor, carinho e atenção!


Ai que saudade

Do meu tempo de criança;

Me dá saudade

Ai que saudade da minha infância!


Nosso lar, um doce ninho.

O terreno sem cercar.

A notícia era o vizinho.


No almoço e no jantar

Não faltava Mineirinho


Lembro os dias de domingo

Futebol era atração.

O mergulho lá no cais

A praia com os amigos

Alguns já não existem mais.


No caminho da escola

Que tremenda zoação

Pão com ovo e mariola

Caderno, lápis na sacola!

Saudades dos meus irmãos.


Dama, dominó e ping-pong

Bandeirinha, pique-esconde

Carrinho de rolimã

Mamãe e minha irmã

Meus avós meu talismã


Desenhos na televisão

Meu tio contando história

Minha roupa de herói

Meus brinquedos na memória

E os filmes de cowboy


Na sombra das goiabeiras

Do cajá, do jamelão

Borboletas e lavadeiras

Debaixo da laranjeira

Eu "batia" um violão.


(Ai que saudade da minha infância

Ah se eu pudesse voltar o tempo…)

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Rubenir Rocha – Pedro Ru é Poeta Musical e membro do Coletivo ELA – Educação Liberdade para Aprender / Facebook e Instagram: Rubenir Pedro Ru. Programa Clarins do Povo – Rádio Jornal 1340 AM = https://www.radios.com.br/aovivo/radio-jornal-1340-am




POLÍTICA