Buscar

'Parents Plan' e o Plano dos Padrinhos, por Erick Bernardes


Fotos: Acervo da Instituição

Sob uma perspectiva social ou qualquer outro olhar talvez histórico, jamais saberia mensurar o valor do que me caiu em mãos tão assim naturalmente. Imagine, instituição financiada pelo Canadá, EUA, Holanda e Austrália cuidando de crianças gonçalenses. Parceria pouquíssimo conhecida por esses lados, filantropia mesmo, tudo isso acontecendo há quase um século, mas pouquíssimo sabido por nossos cidadãos. Seria o altruísmo da tal mão direita atenuando a fome infantil dos pequeninos locais, enquanto a outra mão finge não saber? Veremos.


Não muito longe do que nos tem ocorrido ultimamente, aconteceu de nos chegar informação rara em torno de uns três ou quatros dias após a publicação da crônica domingueira sobre a localidade Pantanal, região fronteiriça com Itaboraí, situada no bairro Marambaia. Narrativa nova, história de raridade indiscutível, mas com pouca informação documental, bem pouca mesmo. Decerto houve carência de mais dados sobre o assunto. No entanto, para nossa sorte, do Pantanal ao topônimo Plano dos padrinhos foi um pulo, porque duas prestativas leitoras entraram em contato e forneceram material ótimo para esta segunda versão.


De acordo com uma de nossas leitoras, tão logo ela decidiu ler sobre o sub-bairro Pantanal e com a localidade Plano dos Padrinhos, recordou dos bons tempos, quando trabalhou na instituição filantrópica nomeada Forest Parents Plan:


— Devo confessar, eu achava que ali era Vista Alegre, mas por sua causa descobri agora que não. Recordo que foi lá meu primeiro trabalho. Começou no Fonseca, porém a instituição precisava se expandir e construíram a nova sede noutro espaço. Só assim passei a conhecer mais os lugares de São Gonçalo. Saíamos em grupos no intuito de visitar as famílias e verificar suas necessidades e, uma vez ao mês, elas vinham à sede para receber uma ajuda em dinheiro. Trabalho maravilhoso. Contavam também com atendimento médico e dentário. O diretor era um americano, Robert Walker. Saí de lá em 1976. Soube que o prédio foi repassado para a LBV, entretanto, não sei se prosseguiram com os apadrinhamentos. Lembro que o Frank Sinatra era um dos padrinhos e até encontrou o afilhado quando esteve no Brasil. Naquela época, eu era muito jovem mas lembro também que, nessas visitas às família, recebiam cartas, lembranças e fotos dos padrinhos, e estes sabiam todas as notícias e fotos dos afilhados e afins. Nos aniversários, Natal e datas festivas de maior relevância sempre chegavam presentes. Algumas famílias tinham ajuda para construir casas. Era um trabalho lindo. Tenho saudades daquele tempo!


Viu aí, caro leitor? É de fato uma preciosidade de história a se perder no tempo se ninguém registrar. O depoimento condiz com o documento de fundação. Em fragmento do livro de registros da instituição, cujo carinho da atual diretora da escola devemos reconhecer, mais uma parcela da nossa cultura se revela: o Forest Parents Plan está localizado da região apelidada de Plano dos Padrinhos no bairro de Marambaia e hoje é administrado pelo município de Itaboraí. Fundada em 1979, com recursos estrangeiros, a escola atende hoje a 61 crianças da Educação Infantil nesse espaço para lá de eficiente.


Segundo informações do material impresso pertencente ao acervo da própria escola, a instituição iniciou suas atividades no Brasil, em julho de 1967, em uma sala de Porão do Clube do Pequeno Trabalhador, no bairro São Domingos, em Niterói. Posterior a isso, ela “se mudou para a sede própria, construída em um terreno adquirido do Educandário Vista Alegre. Contudo, sua construção, inicialmente, foi financiada com verba proveniente do Canadá, da cidade de Toronto, e conseguida com certa campanha popular chamada ‘milha por milhões’”. A construção desse prédio só terminou em 17 de janeiro de 1973 (FOSTER PARENTS PLAN INTERNATIONAL INC. S/D).


Naquele tempo, compunha a equipe um modesto grupo de funcionários. Um profissional de contabilidade, uma recepcionista e um trio de assistentes sociais, além de um supervisor de Serviço Social e também um Diretor. Excetuando este último, toda a equipe era formada por brasileiros. Ainda em novembro de 1967, o Plano arrendou a loja do segundo andar do prédio 1169, situado na Alameda São Boaventura, no bairro Fonseca. O objetivo decerto era o de atender com mais comodidade as famílias contempladas e proporcionar mais conforto ao grupo trabalhador. Porém, assim que as ações de filantropia cresceram em proporção, deu-se a mudança de lugar. Resultado? Marambaia, mais especificamente sub-bairro Pantanal, na fronteira entre SG e Itaboraí. Atualmente a escola Forest Parents Plan (situada no Plano dos Padrinhos) se encontra sob a administração da Prefeitura de Itaboraí e está muito bem cuidada, por sinal. Aos funcionários e colaboradores, recebam toda a nossa gratidão!


Bem, necessário agradecer mais especificamente à Diretora da escola localizada no Plano dos Padrinhos e à amiga de longa data e leitora do Jornal Daki, Darline e Fátima, respectivamente. São fatos importantes narrados por quem viveu a experiência, e tudo isso esperando para ser pesquisado. Fica aí a dica: Frank Sinatra, filantropia multinacional, Forest Parents Plan, São Gonçalo.


Até.


Fonte:


FOSTER PARENTS PLAN INTERNATIONAL INC. S/D.







Erick Bernardes é escritor e professor mestre em Estudos Literários.




MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon