top of page

A cada dois dias um animal sofre maus-tratos no Rio de Janeiro

Maior parte das agressões acontece nas residências pelos tutores


Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Agência Brasil - O estado do Rio de Janeiro teve 252 casos de crueldade e maus-tratos contra animais em 2022. Os dados foram divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Aproximadamente metade deles foi alvo de resgates. Pelo menos 11 espécies diferentes foram citadas no levantamento. As principais vítimas nos registros de ocorrência foram os cachorros (174), gatos (47) e aves (23). E, dentre os agressores, destacam-se os próprios tutores, responsáveis por 68,7% dos casos.


Em relação ao local de ocorrência, a maior parte (54%) aconteceu nas residências onde os animais vivem. Na análise por região, lideram as estatísticas a 42ª Delegacia de Polícia (DP) no Recreio, bairro na Zona Oeste da capital, seguida pela 110ª DP (Teresópolis) e 151ª DP (Nova Friburgo).



O ISP decidiu divulgar os dados hoje (14), para integrar as ações em torno do Dia Nacional dos Animais. A data ajuda a lembrar da importância de cuidado dos animais (domésticos, silvestres ou exóticos) e do combate a qualquer tipo de violência contra eles. Para isso, foca em campanhas de informação e de prevenção.


“Divulgar esses dados no Dia Nacional dos Animais é importante para conscientizar a sociedade e mostrar que maus-tratos e crueldade contra os animais é crime e pode levar a prisão. O crime de maus-tratos está tipificado na Lei de Crimes Ambientais e, em se tratando de cães e gatos, a pena prevê, além da perda da guarda do pet, até cinco anos de reclusão”, afirma Marcela Ortiz, diretora-presidente do ISP.


Canais de denúncia - Em caso de maus-tratos, a denúncia pode ser feita no telefone 190 da Polícia Militar ou no número (21) 2334-7634, do Comando de Polícia Ambiental (CPAm). Também é possível registrar a ocorrência em qualquer delegacia do estado e na Linha Verde, do Disque-Denúncia (0300-253-1177), de forma anônima.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua



POLÍTICA