top of page

Humanidade tem apenas dois anos para salvar o planeta, diz chefe do clima na ONU

Simon Stiell cobrou ações de governos, líderes empresariais e bancos de desenvolvimento

Foto: EBC
Foto: EBC


Os governos, os líderes empresariais e os bancos de desenvolvimento têm dois anos para tomar medidas para evitar alterações climáticas muito piores, disse o chefe do clima da ONU na quarta-feira (10), num discurso que alertou que o aquecimento global está minando as agendas dos políticos.


Os cientistas dizem que reduzir para metade as emissões de gases com efeito de estufa prejudiciais ao clima até 2030 é crucial para impedir um aumento das temperaturas superior a 1,5°C, que provocaria condições meteorológicas e calor mais extremos.


No entanto, no ano passado, as emissões mundiais de CO2 relacionadas com a energia aumentaram para um nível recorde. Os atuais compromissos de combate às alterações climáticas dificilmente reduziriam as emissões globais até 2030.


Simon Stiell, Secretário Executivo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, disse que os próximos dois anos são “essenciais para salvar o nosso planeta”.


“Ainda temos a oportunidade de fazer cair as emissões de gases com efeito de estufa, com uma nova geração de planos climáticos nacionais. Mas precisamos destes planos mais fortes, agora”, disse ele.


Falando num evento no grupo de reflexão Chatham House, em Londres, Stiell disse que o Grupo das 20 principais potências econômicas – em conjunto, responsáveis ​​por 80% das emissões globais – precisava urgentemente de avançar.


A principal tarefa das negociações climáticas da ONU deste ano em Baku, no Azerbaijão, é que os países cheguem a um acordo sobre uma nova meta para o financiamento climático para apoiar os países em desenvolvimento que lutam para investir no abandono dos combustíveis fósseis e no combate às alterações climáticas.


As cúpulas da ONU sobre o clima aumentaram de tamanho nos últimos anos, com milhares de lobistas e representantes empresariais presentes juntamente com delegações governamentais diretamente envolvidas nas negociações.


Quase 84 mil pessoas participaram na cimeira COP28 do ano passado no Dubai, atraindo críticas dos ativistas depois de mais de 2 mil lobistas dos combustíveis fósseis terem se registado para participar.


Stiell disse que gostaria de ver as futuras reuniões da COP reduzidas em tamanho, ao mesmo tempo em que priorizasse resultados fortes de negociação. Ele disse que estava conversando com o Azerbaijão e o Brasil – anfitriões das próximas duas cúpulas climáticas da ONU – sobre isso.


Ele também apelou à angariação de mais financiamento climático através do alívio da dívida, de financiamento mais barato para os países mais pobres, de novas fontes de financiamento internacional, como um imposto sobre as emissões do transporte marítimo, e de reformas no Banco Mundial e no Fundo Monetário Internacional.


“Todos os dias, os ministros das finanças, os CEOs, os investidores e os banqueiros climáticos e de desenvolvimento direcionam triliões de dólares. É hora de transferir esses dólares”, disse Stiell.


Num ano próspero para eleições em todo o mundo – com eleitores da Índia, da África do Sul e dos Estados Unidos indo às urnas – Stiell alertou que muitas vezes a ação climática estava “escapando nas agendas do gabinete”.


Políticos, desde o líder republicano Donald Trump nos Estados Unidos, até partidos de extrema-direita que procuram ganhos nas próximas eleições da União Europeia, recuaram nas políticas climáticas enquanto cortejavam os eleitores.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA

KOTIDIANO