top of page

Salton se beneficiava de trabalho escravo, revela MTE

Além da famosa vinícola do Sul, Aurora e Cooperativa Garibaldi também se beneficiavam

Alojamento de trabalhadores resgatados em condições análogas à escravidão em Bento Gonçalves (RS). Créditos: MPT-RS
Alojamento de trabalhadores resgatados em condições análogas à escravidão em Bento Gonçalves (RS). Créditos: MPT-RS

Pelo menos 180 trabalhadores foram resgatados de situação análoga à escravidão em operação conjunta da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Federal (PF) e Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na noite desta quarta-feira (22) em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha.


Os trabalhadores foram aliciados pela empresa Oliveira & Santana na Bahia para a safra da uva no Rio Grande do Sul. A promessa da empresa, que possuía contratos com vinícolas famosas da região, entre elas a Salton, Aurora e Cooperativa Garibaldi, era de pagar salários superiores a R$ 3 mil na colheita da uva, com direito a acomodação e alimentação.


Mas não era nada disso. Três homens que trabalhavam na colheita conseguiram fugir e denunciar à Polícia o horror em que viviam com os trabalhadores em alojamentos insalubres, com atrasos no pagamento de salários, jornadas exaustivas, violência física, alimentação inadequada e até mesmo cárcere privado. Em relato ao MTE, parte desses homens relatou que castigos com choque elétrico e spray de pimenta eram constantes.



O proprietário da Oliveira & Santana , que tem 45 anos, foi preso e encaminhado ao Sistema Penitenciário do Rio Grande do Sul. Ao longo desta quinta-feira (23), o Ministério Público do Trabalho (MPT) concluiu a coleta de depoimentos desses trabalhadores e, agora, trabalha para regularizar as verbas rescisórias e indenização às pessoas que estavam em situação análoga à escravidão.


Em nota, as vinícolas disseram que não se responsabilizam pela forma de contratação da empresa terceirizada e que respeitam a legislação trabalhista. O MTE, por sua vez, disse que a responsabilidade é solidária e, nesse caso, se o atravessador (empresa terceirizada) não pagar o devido aos trabalhadores, as vinícolas terão que ser responsabilizadas.


Com informações de Fórum.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA