top of page

Nem velozes, nem furiosos: poesia - por Erick Bernardes


A trupe do cordel/Foto: Erick Bernardes
A trupe do cordel/Foto: Erick Bernardes

De repente a vida me escolhe, de súbito me põe na hora e lugar exatos de um dos acontecimentos mais preciosos do mundo. E aquela entidade chamada acaso sopra ao meu ouvido:


– Aproveite o instante, querido, meu presente para ti.


Falemos então de viagem, mas não de lugar, falemos de um momento inesquecível. Conversemos sobre conversa. Exato, sobre bate-bapo. Refiro-me aos minutos dos mais incríveis da minha existência, de quando esta alma teve o prazer de fotografar e guardar no espírito a cena que vou lhe narrar. “Sorria e diga ‘x’", assim quis o destino.


Final da plenária mensal da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC). Maravilha, começo de noite inesquecível, quando – entre a fala do Mestre Gonçalo Ferreira e alguns do poetas mais renomados do mundo do cordel – Zé Salvador e Ezequiel proclamaram em alto tom os seus respectivos amores por São Gonçalo. Lindo, tudo lindo, por sinal, eloquentes como de costume. Sim, declamaram, recitaram, cantaram e discursaram. Durante a demorada saída, o metro quadrado do elevador prenunciou o melhor do evento, vislumbrou. Sim, pois o vislumbre é o futuro do deslumbramento. Conversa desgarrada, quero dizer, prosa alegre entre artistas acerca de literatura. Como bom pidão, consegui um lugar de carona com o vice-presidente da ABLC, a saber, o poeta Almir Gusmão, que revelou estar com o carro quase cheio. “Mas sempre cabe, sempre tem espaço”. Pronto, estava montada a companhia mais lírica que já tive em minha vida. Pense na cena: Almir no volante e Zé Salvador no carona. No banco de trás, Ezequiel Alcântara, Alba Helena e eu. Sorte a minha vivenciar o momento.



Muito antes de alcançarmos a Ponte Presidente Costa e Silva, popular Rio-Niterói, o papo mudou de trova para música. Nunca se tem ciência sobre a razão da troca do objeto da conversa. Só sei que do nada Alba Helena, com o rosto escondido entre um ramalhete de azaleias que ganhara na plenária, comentou ser ouvinte das músicas contemporâneas sem abdicar das antigas. Eu concordei:


_ Por incrível que pareça, gosto de Matchbox Twenty, de chorinho e samba de Cartola também.


Minha tendência imediata foi procurar no celular e pôr para tocar o “rit” Odeon, de Ernesto Nazareth. Um olhar rápido que lancei ao Zé bastou para ver que também gostou – ele tinha o ar de quem queria cantar. E cantou, isto é, cantarolamos todos ali no interior do automóvel. Almir se mostrou um exímio conhecedor de chorinho, Ezequiel fazia a segunda voz. Não me recordo, mas alguém pediu Jacob do Bandolim, e fluiu. Meu Deus, como a cantoria fluiu.


Sem dessas lógicas que emendam sequências de acontecimentos aos outros, Alba Helena mencionou um ditado em latim e informou estar estudando esperanto. Incrível, raridade de acontecer. Duas línguas que me seduzem e até conheço um pouco. Resultado? Exatamente. Conjugamos juntos uns verbos em língua latina dentro do carro em todas as declinações. Trocamos frases em esperanto e terminamos com as lições de vida da querida trovadora de Niterói.


Em suma, conversa sobre trova, soneto, chorinho, língua latina e esperanto, junto aos artistas mais destacados da literatura de cordel. Eu vivi para experimentar isso. E, quando descemos, Alba soltou um pequeno suspiro satisfeita.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Erick Bernardes é escritor e professor mestre em Estudos Literários.


POLÍTICA

KOTIDIANO