top of page

Coisas do Brasil - por Paulinho Freitas

SÃO GONÇALO DE AFETOS

Marcelo Eco durante a pintura do obelisco na Praça Luiz Palmier, no Centro de São Gonçalo. Foto: Divulgação / Ademir Júnior
Marcelo Eco durante a pintura do obelisco na Praça Luiz Palmier, no Centro de São Gonçalo. Foto: Divulgação / Ademir Júnior

Na Praça da Mariza ali no centro de São Gonçalo encostado no obelisco, José Carlos, professor de história e recém-chegado a nossa cidade, vindo do interior de Minas para trabalhar aqui, de celular nas mãos pesquisava de onde saiu aquela obra e por que saiu.


Com a cabeça nas nuvens, sonhando com o ator principal da novela das nove, Maria Helena não reparou o obelisco e nem viu o José Carlos dando-lhes nele e no obelisco um violento encontrão. Foi celular para um lado, bolsa para outro, óculos sabe-se lá Deus onde foi parar. José Carlos pouco enxergava sem eles, mas seu coração encontrou o amor que procurava a vida toda.


Seu olfato sentiu o perfume que inebria e faz perder o chão. Conseguiu pegar o celular e tentava ajudá-la a catar os pertences dela espalhados pelo chão. Ela, por sua vez, viu nele o ator que faria de sua vida uma grande novela com muitos capítulos felizes e, dependendo dela, sem final.


Riram do acontecido e ele a convidou para tomar um suco. Convite aceito, muita conversa sem a objetividade que o momento pedia, sem a coragem da parte dele de se declarar e a insegurança da parte dela em confessar o quanto também queria.


Pela timidez de um e pela insegurança do outro se despediram sem trocar telefone e sem marcar novo encontro. Só a noite, depois de baixar a adrenalina é que os dois conversaram cada um com seus botões.




Ele: _ Por que não confessei a ela que nunca namorei e que estava esperando por ela a minha vida inteira? Maldita timidez que me fez perder o amor da minha vida! Vou todos os dias ao centro da cidade, encontrá-la vai ser minha meta de vida.


Ela como se estivesse escrevendo num diário: _ Voltando para São Paulo, de onde jamais deveria ter saído. Meu coração bateu como nunca bateu por alguém, mas se eu tivesse confessado que me apaixonei a primeira vista, que dedicaria minha vida a ele e que o faria o homem mais feliz do mundo e depois confessasse que faço programa para viver, que sou explorada por uma casa de prostituição, que fica com quase todo meu dinheiro e cobra até o absorvente que uso, será que ainda assim ele ia me querer? Acho que não. Puta nasce pura e morre puta! Nasce puta e morre puta! Sem amar, sem amor e sem gozar! Filha da puta! Mãe de puta e puta!


Sentindo o frio do ar condicionado do ônibus e com a visão embaçada pelas lágrimas Maria Helena se despede da Cidade, da novela que não começou a escrever e do amor que acha que jamais terá. Será?


OBS: O obelisco de São Gonçalo é uma torre em aço erguida na Praça Luiz Palmier, outrora Praça do Rodo e contemporaneamente chamada de Praça da Mariza, foi erguida em homenagem aos bondes que antigamente faziam o retorno naquele local. Antes quase invisível e hoje adornado pela arte do mestre do grafite Marcelo Eco.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Paulinho Freitas é sambista, compositor e escritor.