top of page

"Eles queriam me matar", diz jovem preso injustamente por policiais no Jacarezinho

Delegado do caso admitiu que houve erro e faltam provas, mas disse que jovem "estava na hora errada e no lugar errado"


Foto: José Lucena/TheNews2/Folhapress
Foto: José Lucena/TheNews2/Folhapress

Brasil de Fato - Um jovem negro que foi preso no último domingo (6) na comunidade do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, foi solto nesta terça-feira (8) por determinação da Justiça. O entregador Yago Corrêa, de 21 anos, deixava uma padaria do bairro, onde havia ido comprar pães, quando foi abordado por policiais militares.


Segundo o registro policial, o jovem estava com um adolescente preso com 30 gramas de cocaína e 150 de maconha. Mas a família afirmou que Yago tinha ido à padaria para comprar pão e quando viu a abordagem dos PMs, se assustou e correu. Mais cedo, o delegado Marcelo José Borba Carregosa, da 19ª DP (Praça da Bandeira), admitiu que houve erro da polícia, mas que Yago "estava na hora errada e no lugar errado".


Na saída do presídio de Benfica, que fica na zona norte da capital, na tarde desta terça (8), Yago, que passou duas noites encarcerado sem que houvesse nenhuma prova contra ele, disse à imprensa que não estava no lugar errado, que estava em seu bairro.




"Eu não sou bandido, não sou nada, sou morador, só. Eles queriam me matar. Falaram para eu sentar para me matar. Eu corri porque eu tive que correr, não vou ficar", explicou Yago, que estava muito emocionado ao deixar o local.


Na saída do presídio, moradores e familiares do rapaz protestaram contra a prisão arbitrária e sem provas. A irmã de Yago, Érika Corrêa, criticou a ação policial e afirmou que o governador Cláudio Castro (PL) deveria colocar dentro da comunidade não a polícia, mas educação e emprego para a população local.


Apesar de não haver provas contra o rapaz, a Justiça do Rio concedeu liberdade provisória e ele ainda responderá ao processo.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.