top of page

Estudo mostra que Viagra pode reduzir em 60% o risco de Alzheimer

Testes mostraram que uso de Viagra evitou a formação excessiva das proteínas tau nas células nervosas que está associada ao Alzheimer


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um grande estudo internacional publicado na última terça-feira (19/3) mostra evidências de que o uso do medicamento Viagra pode fazer mais do que tratar a disfunção erétil em homens. O remédio seria capaz de reduzir em 60% o risco de uma pessoa desenvolver Alzheimer no futuro.



A descoberta dos pesquisadores da Cleveland Clinic, dos Estados Unidos, foi publicada no Journal of Alzheimer’s Disease.


Os cientistas fizeram uma investigação laboratorial sobre os efeitos da sildenafila – uma substância inibidora da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) que é o principal componente do Viagra – para evitar que proteínas como a tau se amaranhassem nas células nervosas. Esse acúmulo é uma das explicações para o desenvolvimento de demências.



Estudos anteriores já demonstraram que, além de promover o fluxo sanguíneo no pênis, os inibidores da fosfodiesterase (PDE) também podem prevenir doenças neurodegenerativas.


Os PDEs estão envolvidos nas vias de sinalização que influenciam a neuroplasticidade. Eles reduzem a formação excessiva das proteínas tau nas células nervosas, ajudando a melhorar a saúde cognitiva e a memória.


Os pesquisadores usaram culturas de células de neurônios criadas a partir de células-tronco de pacientes com Alzheimer para mapear a atividade por trás dos efeitos terapêuticos da sildenafila, e observaram que, após cinco dias de tratamento com o medicamento, os neurônios produziram níveis significativamente mais baixos de proteínas tau. O resultado é um forte indicador de que a sildenafila é capaz de proteger as células cerebrais.



O experimento foi complementado com o uso de inteligência artificial para procurar sinais de que como o medicamento funcionaria em uma escala populacional usando informações de pacientes inscritos em três grandes bancos de dados internacionais. Os pesquisadores confirmaram que a sildenafila diminuiu o risco de Alzheimer em cerca de 60%.


“Depois de integrar essa grande quantidade de dados computacionalmente, é gratificante ver os efeitos da sildenafila nos neurônios humanos e nos resultados dos pacientes no mundo real”, afirmou o biomédico Feixiong Cheng, co-autor do estudo, em um comunicado à imprensa.


Cheng espera que estudos clínicos sejam realizados para confirmar as descobertas feitas por sua equipe.


*Com informações Metrópoles


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI

POLÍTICA

KOTIDIANO