top of page

O Sorriso da Passista II: Cap 4 - por Paulinho Freitas


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

...ela atende o telefone e começa a chorar falando ao interlocutor:


_ Mas não é possível! Como isso foi acontecer? Estou indo imediatamente. Já chego, pede para alguém me apanhar de moto no centro de São Gonçalo, é mais rápido. Até logo.


Ela desliga o telefone, vira-se para ele e pede:


_ Por favor, me leve embora, me deixe no Centro de São Gonçalo, por favor, não me pergunte nada. Depois converso com você.


O malandro era só decepção, ainda tentou argumentar que a levaria para casa, a ajudaria resolver qualquer problema, passou a viajem toda tentando convencê-la e nada, teve que deixá-la na frente da Igreja Matriz de São Gonçalo onde uma potente moto a aguardava. Ela subiu na garupa da moto e foi embora deixando nosso amigo sem acreditar no que havia acontecido. Ele saiu do carro, sentou no meio fio e chorando reclamava sozinho:



_ Tanto sacrifício meu Deus! Gastei uma fortuna subornando os funcionários do restaurante para fingirem me conhecer, gastei toda a minha aposentadoria e parte da féria do meu comércio num único jantar, só o vinho foi mais de mil reais a garrafa e ela bebeu duas. Ainda perdi a reserva do hotel que eu já tinha pago e acontece isso de novo! De novo não! Nãoooooo!!!!


Ele chora como uma criança, de repente uma fúria arrebata seu coração, ele sai dali, entra no primeiro bar que encontra, começa a beber e arquitetar sua vingança, a cada gole ele repete:


_ Amanhã ela vai ver! Vou lá, vou arrastá-la se preciso for, mas amanhã ela me paga. Ah se me paga!!!!!!


Ele bebe, o tempo passa, o dia chega, os caminhões abastecem os mercados, as feiras livres ganham vida, a rua da caminhada se enche de vida, pessoas andando para lá e para cá, bicicletas, crianças, vento, alguns felizes boêmios se esquivando do sol voltando para casa e o malandro... Ah o malandro!...


Continua na próxima quarta-feira.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso canal do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


Paulinho Freitas é sambista, compositor e escritor.






POLÍTICA