top of page

Supermercados chamam vendas de sobras de alimentos de 'forma criativa de mostrar alternativas'

Empresários encontram amparo legal na legislação regulamentada pela Anvisa que não proíbe a venda para lucrar com a fome


Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

Brasil 247 - A venda de produtos “criados” pela inflação galopante de Jair Bolsonaro, que antes não eram comercializados como pelanca de galinha, carcaça de frango, ossos e sobras de frios, foi chamada pelo vice-presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Marcio Milan, de "alternativas mais baratas diante da inflação".


De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o empresário acredita que estes alimentos, que normalmente são descartados ou doados pelos supermercados e açougues, são “uma forma criativa de mostrar alternativas para quem procura ‘algo diferente’”.


Os empresários encontram amparo legal na legislação regulamentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) - que não proíbe a venda - para lucrar com a miséria dos brasileiros que estão passando fome.


"Tem algumas medidas que podem modificar algumas coisas pontuais, que muitas vezes são alternativas para o consumidor, até uma determinada situação, muitas vezes para mostrar algo diferente que mostra algo diferente", justificou o empresário.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.




POLÍTICA