top of page

Estudante da UFRJ preso por enforcar namorada passa por audiência de custódia nesta quinta

Márcio George Gomes Neves foi contido por amigas da vítima que ouviram o pedido de socorro e acionaram os seguranças da unidade


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O estudante de matemática Márcio George Gomes Neves, preso por tentativa de feminicídio contra a namorada, vai passar por audiência de custódia nesta quinta (23), às 13h. O jovem arrastou a companheira para um quarto no alojamento da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, Zona Norte, e a enforcou.


O casal estava junto há um ano e meio e tem um filho de 6 meses, que estava no quarto ao lado onde aconteceram as agressões. De acordo com a vítima, Márcio sempre se mostrou uma pessoa agressiva, com surtos descontrolados, mas esta foi a primeira vez que as agressões se tornaram físicas. A jovem afirmou que não havia registrado ocorrência anteriormente porque acreditava que o namorado pudesse mudar o comportamento.



De acordo com a polícia, Márcio foi contido por amigas da vítima que ouviram o pedido de socorro e acionaram os seguranças da unidade. A corporação informou que após o crime, o suspeito foi até a 37ª DP (Ilha do Governador) para relatar uma suposta briga de casal. Um dos policiais desconfiou da situação e tentou contato com a estudante.


Em depoimento, a jovem afirmou que foi enforcada pelo namorado e que só não morreu porque conseguiu ajuda. A vítima relatou, ainda, que as agressões aconteceram porque ela queria ouvir música e o companheiro não deixava. A estudante está com dificuldades para falar e hematomas no pescoço por conta do enforcamento. Ela disse que teme por sua integridade física e pediu por uma medida protetiva urgente.


Segundo o delegado titular, Felipe Santoro, as declarações colhidas em sede policial não deixam dúvidas da tentativa de feminicídio cometida pelo acusado. "Ele só não matou a vítima em razão da chegada das duas amigas da estudante. Nos chama atenção o fato do acusado ter comparecido, antes da vítima, na delegacia visando registro do ocorrido, com o fim modificar as circunstâncias do crime, evitando sua prisão em flagrante", explicou.


*Com informações O Dia


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA