top of page

Tudo normal - por Paulinho Freitas

SÃO GONÇALO DE AFETOS

A família tradicional/Foto: Reprodução
A família tradicional/Foto: Reprodução

O síndico do meu condomínio é um cara austero. Não admite som alto e gritaria de crianças nas partes comuns. Em sua unidade habitacional, o café da manhã é servido às sete, o almoço às doze e o jantar, impreterivelmente, às dezenove horas.


Todos à mesa, oração agradecendo a refeição e todos se alimentam em silêncio. No máximo as vinte e duas horas todos na cama. Não se vê novela para não influenciar negativamente o casal de filhos adolescentes que também só podem usar a internet durante duas horas por dia e sob severa vigilância.


A esposa dele não pode frequentar a piscina e só sai de casa para ir à igreja aos domingos e na quarta feira à tarde para orações na residência de uma religiosa também residente no condomínio.


No domingo saíram para a igreja pela manha, ele na frente e ela atrás, de cabeça baixa. Depois da igreja exerceram o sagrado direito do voto e voltaram para casa onde a rotina foi cumprida à risca.


Ele é um severo defensor da moral e dos bons costumes, é metódico, severo, impoluto, um homem acima do bem e do mal, não tem defeitos, é probo, reto e tenta fazer de todo o condomínio a extensão de sua casa. O homem é a imagem do que o mundo deve seguir e ser.



Domingo à noite, sem motivo aparente ele surtou, pôs uma arma na cinta e saiu de casa dizendo que iria salvar o Brasil (?). A mulher entrou em desespero e foi para a residência da amiga religiosa rezar. E as crianças aproveitaram a ausência dos pais para levar os amiguinhos para casa, para fazerem vídeos para um site de vídeos curtos.


Quando ele voltou já era madrugada, a esposa já dormia. Guardou a arma, trocou de roupas e deitou. No celular uma mensagem: "Você acima de tudo!“


Ele desligou o telefone e foi dormir com um sorriso feliz. No celular da mulher também uma mensagem: “Estou em oração por visitas suas mais frequentes para eloquentes e profundas orações.”


Ela dá um suspiro feliz, desliga o telefone e dorme.


No site de vídeos curtos o vídeo das crianças dançando o “Desenrola, bate, toca de ladinho...” alcança milhares de seguidores.


Tudo normal.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Paulinho Freitas é sambista, compositor e escritor.


POLÍTICA