top of page

Os sinais e o plebiscito - por Helcio Albano


Ah, os sinais! Para entender certos sinais, deve-se ter alguma compreensão do que é emitido, saber de onde e quem o emite. Trejeitos físicos, tom de voz. Também deve-se ter vivência e sensibilidade com o assunto. Isso vale para tudo. E ainda mais para política.


Estamos num ano de eleições O momento, porém, extrapola sua dimensão eleitoral. O que está em jogo não é a preferência por um outro candidato. Propostas disso ou daquilo. O que é natural se discutir na disputa de corações e mentes pelo voto. Nada disso esse ano está posto.


O que está posto e em disputa são coisas antagônicas do tipo: civilização x barbárie; democracia x ditadura; empatia x sociopatia; educação x obscurantismo; vida x morte. Não é, portanto, uma eleição. É um plebiscito que não cabe uma terceira coisa. Por isso uma terceira via não vinga. E aqui não cabe lamento, sorry.



E também por isso que uma das escolhas parece já estar consolidada, motivo pelo qual tanta demonstração de desespero dos almas sebosas da conexão Vivendas-Rio das Pedras-Brasília.


Vereadores de São Gonçalo sequestrados pelas trevas já entederam isso. E dão sinais. Aqueles sinais do início da Coluninha. Um deles subiu essa semana à tribuna e, talvez instado a se pronunciar em apoio ao coisa ruim, soltou: "Vou com ele até o fim".


Ora, nós sabemos que quando alguém fala tal coisa o faz como resignação involuntária porque o negócio tá feio e a derrota é certa.


Siga @helcioalbano

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Helcio Albano é jornalista e editor-chefe do Jornal Daki.



POLÍTICA