top of page

Lecinho pode 'rodar' sozinho no caso do laranjal do MDB

Maior beneficiado seria o suplente Thiago da Marmoraria


A Procuradoria Regional Eleitoral do Rio opinou ao TRE que a sentença que determinou a cassação de diplomas e mandatos do MDB em São Gonçalo atinja apenas o presidente da Câmara de Vereadores, Lecinho Breda, Sônia Regina Nogueira, a pivô do esquema fraudulento, e o suplente Marco Aurélio Brasil. Apenas Lecinho tem mandato pelo MDB.


As informações são da coluna de Berenice Seara, do jornal Extra.


Segundo a PRE, a inelegibilidade não pode alcançar todos caso não seja possível constatar as efetivas contribuições para a prática do ato abusivo e fraudulento. “A narrativa em nenhum momento aponta qualquer ação por todos eles praticada para perfectibilizar a conduta abusiva”, diz o documento.



Caso o TRE acate a tese do PRE, o ex-vereador Thiago da Marmoraria e todos os outros candidatos da nominata de 2020 deixarão a ação e ficarão liberados para seguirem suas atividades políticas.


Neste caso, Thiago, como primeiro suplente do MDB, assumiria a vaga caso Breda perca definitivamente o mandato com a ratificação pelo TSE da decisão de piso, ocorrida em junho.


Lembrando que...

O Tribunal Regional Eleitoral identificou fraude do partido no cumprimento da cota percentual de gênero, com anuência do presidente da Câmara Municipal de São Gonçalo, Lecinho Breda.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso canal do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA