top of page

O que ocorre no Norte muito provavelmente se repetirá no Sul

Por Helcio Albano

Trump, Lisa e Greta: Reprodução
Trump, Lisa e Greta: Reprodução


Todo mundo acompanhou a condenação de Donald Trump por fraude contábil. Ficou provado que o magnata comprou o silêncio de uma atriz pornô pra não encrencá-lo em 2016, ano em que a profecia dos Simpsons se cumpriu e as portas do inferno se abriram.


Na prática, não vai dar em nada. Tanto lá como cá, o pecador continuará ungido e acolhido em sua base, a "tradicional família conservadora temente a Deus", serva da Pátria e defensora da "Liberdade". Hipocrisia que chama. E quanto a isso, nada podemos fazer. "God bless America", onde o sonho há muito se tornou pesadelo distópico num país à beira de uma guerra civil.


LEIA MAIS


Pelas leis do Tio Sam, Trump, além de poder concorrer às eleições neste ano, poderá governar o país mesmo se preso. E eles que se virem com seus anacronismos. O que importa aqui é projetar para o Brasil caso semelhante com o coisa ruim.


Após a decisão (unânime) do júri, Trump chamou a Justiça dos EUA de "uma desgraça". Logo em seguida, os "aprendizes" do trambiqueiro pediram "tumulto e retaliação violenta" em defesa do seu líder.


A canalha golpista não dorme. Já se sabe que se prepara no "partido" bolsonarista, o WhatsApp, manifestações pelo impeachment de Lula e de Moraes que começariam em 6 de setembro com um triplo objetivo: botar fogo na campanha eleitoral, intimidar o Xandão e paralisar e inviabilizar o governo Lula.


Diante deste balão de ensaio e da experiência estadunidense, tem-se o dilema: prende ou não prende o verme?


Fique atento ao que ocorre no Norte, porque muito provavelmente se repetirá no Sul.


Nos siga no BlueSky AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.


Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Helcio Albano é jornalista e editor-chefe do Jornal Daki.

POLÍTICA