top of page

Te cuida, Lecinho! - por Helcio Albano


Lecinho na Tribuna da Câmara/Foto: Reprodução TV Câmara
Lecinho na Tribuna da Câmara/Foto: Reprodução TV Câmara

Ontem (20/4) o deputado reaça, porraloca-brucubombadão, Daniel Silveira (PTB), foi condenado pelo STF a 8 anos e 9 meses de prisão pelos crimes de "coação no curso do processo" e "atentado ao estado democrático de direito" defendendo, inclusive, o retorno do AI5, instrumento da ditadura militar para perseguir, prender e matar seus opositores.


Além de ter de pagar a cana em regime inicialmente fechado, o filhote de cruz-credo deverá perder o mandato, ficar inelegível por longos 8 anos (tamanho de sua pena) e "morrer" em R$ 212 mil de multa. Perdeu, playboy!


Silveira, que ficou célebre por ter aviltado a memória de Marielle Franco, surfou na onda que elegeu o coisa ruim em 2018. Mesmo com um tico e um teco na cabeça, chegou à Câmara Federal com 31.789 votos fluminenses puxados pelo fenômeno eleitoral do PSL, seu então partido, agora extinto com a junção com o DEM, que gerou o União Brasil.


O ex-PM indisciplinado do 26º Batalhão de Petrópolis, discípulo de Olavo de Carvalho, acreditou de verdade nas bravatas da famiglia do Vivendas e partiu pra cima dos seus inimigos imaginários ou de conveniência: professores-comunistas doutrinadores, agentes da China defensores do lockdown e, finalmente, os ministros do STF, mais notadamente, Alexandre de Morais. Aí que ele se estrepa.



O sujeito usou e abusou de ameaças. Seja nas redes sociais ou na Tribuna da Câmara se arvorando na tal "liberdade de expressão", que acreditou absoluta, ou na "imunidade parlamentar" como se o tornasse imune a toda sorte de barbaridades e crimes contra os magistrados da mais alta Corte do país e contra a democracia e o Estado de Direito.


Eis o resumo do argumento que o condenou, proferido por Morais ontem na sessão do STF:


"A Constituição não garante a liberdade de expressão como escudo protetivo para a prática de atividades ilícitas, para discurso de ódio, discurso contra as instituições”.


O presidente da Câmara de São Gonçalo, Lecinho Breda (MDB), que sempre teve fama de truculento, mas nunca de ter sido desleal e mentiroso, tem se utilizado de certas táticas caluniosas e difamatórias contra seus adversários sob o mesmíssimo manto de uma equivocada liberdade de expressão e da falsa imunidade parlamentar.


O recado de ontem de 10 dos 11 ministros da Suprema Corte, foi:


- Te cuida, Lecinho!

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Helcio Albano é jornalista e editor-chefe do Jornal Daki.




POLÍTICA