top of page

PF prende assessor de Filippe Poubel acusado de financiar terrorismo

Carlos Victor de Carvalho, nomeado na Alerj, administra diversas contas bolsonaristas na internet. Ele estava foragido e foi preso no Espírito Santo

Assessor foi preso no ES/Foto: Reprodução
Assessor foi preso no ES/Foto: Reprodução

Fórum - Agentes da Polícia Federal (PF) invadiram uma pousada na manhã desta quinta-feira (19), na cidade de Guaçuí, no Espírito Santo, para prender o assessor parlamentar Carlos Victor de Carvalho, um bolsonarista conhecido como CVC, que trabalha no gabinete do deputado estadual fluminense Filippe Poubel (PL-RJ). Ele estava com prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), sob a acusação de ter financiados os terroristas apoiadores do ex-presidente de extrema direita que produziram destruição em Brasília no último dia 8.


CVC foi considerado foragido desde que sua prisão foi determinada e ele não foi encontrado no Rio de Janeiro. Segundo informações da imprensa capixaba, os policiais federais já vinham o monitorando no estado e então entraram nesta manhã na pousado, no momento em que o bolsonarista tomava café com familiares, que seriam duas mulheres e um homem. Ele recebeu voz de prisão e não reagiu à abordagem.



Os federais já tinham informação de que CVC esteve numa praia de Guarapari no último fim de semana, mas como as primeiras informações davam conta de que ele se entregaria na cidade de Campos dos Goytacazes, no Rio, nenhuma operação foi realizada. Como o foragido não se apresentou, foi necessário sair em diligência para localizá-lo e prendê-lo.

Líder de um grupo bolsonarista chamado “Direita Campos”, CVC é suspeito de ter financiado, com mais duas pessoas, os atos golpistas realizados desde a vitória do presidente Lula (PT) sobre Jair Bolsonaro (PL) nas eleições do fim de outubro do ano passado.

O gabinete do deputado estadual Filippe Poubel (PL-RJ) divulgou uma nota, na segunda-feira (16), na qual o parlamentar afirma “sempre ter repudiado atos ilegais e evidenciado respeito aos valores democráticos”, acrescentando que "o gabinete vai buscar informações sobre os fatos veiculados na imprensa, para que não ocorram antecipadamente condenações sem o devido processo administrativo e legal”, em referência à acusação que pesa contra CVC e ao fato do assessor ter se tornado foragido ao não se entregar à PF.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA