top of page

Vereador ressuscita 'fake news' contra Lulinha e Dona Marisa para atingir Lula

Lecinho Breda (MDB) repetiu as lorotas da Friboi e dos "milhões da Avon" para atacar o ex-presidente, o PT e a esquerda


Cláudio Figueiras

Lecinho é um dos campeões de lorotas ditas na Tribuna da Câmara/Foto: Reprodução
Lecinho é um dos campeões de lorotas ditas na Tribuna da Câmara/Foto: Reprodução

O vereador e presidente da Câmara de São Gonçalo, Lecinho Breda (MDB), ressuscitou uma velha “fake news” sobre o filho de Lula, Fábio “Lulinha” da Silva, e a mulher do expresidente, Dona Marisa Letícia, falecida em 2017 vítima de um AVC, para atacar Lula, a esquerda e o PT.


Da Tribuna, Lecinho repetiu duas lorotas contra os familiares do ex-presidente já fartamente desmentidas, de que Lulinha seria dono do frigorífico Friboi e de que Dona Marisa teria “mais de R$ 150 milhões como vendedora da Avon”.


"O candidato do PT disse que quer tirar o povo da pobreza. Rapaz, se o cara teve 16 anos lá no poder e não tirou o povo da pobreza, como é que vai ser agora? Tipo assim: tirou o filho dele que era catador de merda de elefante, não é isso? O cara hoje tá bilionário. O cara hoje é o dono da Friboi. Dona Marisa, que Deus a tenha, deixou R$ 150 milhões vendendo Avon. Deixou 150 milhões aí para os seus herdeiros. Me poupe!" afirmou Breda. Veja a partir de 2:01 min.


As mentiras ditas pelo parlamentar, que podem render-lhe um processo, já que não estão cobertas pela imunidade parlamentar, foram proferidas no final da sessão desta terça (29), com o Plenário já vazio e sem a presença da vereadora do PT, Priscilla Canedo.


Os boatos de que Lulinha seria dono da Friboi começaram a pipocar em 2014 como estratégia de comunicação da direita e dos adversários do PT para desestabilizar o governo Dilma na onda de criminalização do PT a partir da Lava Jato.


No ano seguinte, em 2015, Lulinha entra e vence o primeiro processo por injúria, calúnia e difamação, contra o prefeito de São Carlos (SP), Paulo Altomani (PSDB). Há diverso outros processos ainda em andamento.


Lula, através de seus advogados, também procura reparação contra as mentiras proferidas contra sua esposa, morta muito provavelmente após o tsunami de acusações à sua família.

As fake news sobre os “milhões” da mulher de Lula se deu por um erro de digitação numa sentença em que constava informações sobre o patrimônio de Dona Marisa que, em vez de grafar R$ 26 mil, grafou R$ 256 milhões.


A informação falsa foi compartilhada de forma insidiosa pelos adversários do PT, inclusive o filho de Jair Bolsonaro, Eduardo 03, que foi processado por Lula.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA